- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

China e Rússia estão muito interessadas em investir na América Latina, afirma Lavrov

© Sputnik / Grigory Sysoev / Abrir o banco de imagensMinistro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou nesta semana que a China em breve será a maior economia do mundo, e que isso faz com que o país asiático tenha interesses em outras partes do mundo, incluindo a América Latina.

Falando sobre a China, o ministro disse que tem recursos econômicos e interesses na América Latina e quer "investir nessa parte do mundo porque não tem muitos recursos minerais".

De acordo com Lavrov, a América Latina é muito interessante não só para a China, mas também para as empresas russas.

"À medida que nossas empresas e empresas chinesas se aprofundam na América Latina, acredito firmemente que haverá mais projetos", disse Lavrov em entrevista exclusiva à RT.

O ministro russo acrescentou que os BRICS e o Novo Banco de Desenvolvimento (que foi criado como BRICS) também se juntarão a este trabalho de investimentos.

4 de setembro de 2016. O presidente russo, Vladimir Putin, à esquerda, e o presidente chinês, Xi Jinping, durante uma reunião em Hangzhou. - Sputnik Brasil
'EUA farão todo o possível para causar problemas entre Rússia e China'

Lavrov também abordou o crescimento da economia chinesa. Com o apoio dos parceiros do BRICS, a China chegará a ocupar o primeiro lugar – hoje nas mãos dos Estados Unidos – como a maior economia do mundo.

Lavrov ressaltou que a crescente influência dos BRICS na economia global e no G20 levará a um mundo multipolar.

"Eu acredito que nossos homólogos ocidentais no G20 percebem cada vez mais que precisam negociar, eles precisam concordar", disse Lavrov.

"O BRICS não está sozinho — tem aliados, incluindo Arábia Saudita, México, Argentina e Indonésia. Eu acho que metade do grupo do G20 procura participar do processo de tomada de decisão", disse ele.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала