'Politizada', Igreja exerce mesmo papel que teve na Alemanha nazista, diz líder da AfD

© AP Photo / Gero BreloerBandeira da Alemanha
Bandeira da Alemanha - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Vastas partes da Igreja cristã na Alemanha estão cada vez mais envolvidas na política, assumindo o papel que tinham sob o Terceiro Reich nazista no país, disse uma alta política do partido Alternativa para Alemanha (AfD) a militantes em resposta à crítica que a sigla de direita vem recebendo.

"Agora sabemos que as Igrejas oficiais, sejam elas evangélicas [protestantes] ou católicas, são politizadas de tempos em tempos", afirmou a diretora Alice Weidel, líder da AfD, para a revista local Focus. "A separação da Igreja e do Estado já não é observada".

Além de "poucas exceções", a Igreja agora tem "o mesmo papel sem glória [que teve] no Terceiro Reich", continuou.

Alexander Gauland, da Alternativa para Alemanha (AfD) - Sputnik Brasil
Líder da AfD questiona soberania de Israel e cresce temor judaico na Alemanha

As palavras ásperas de Weidel vieram em resposta aos comentários do bispo protestante Markus Droge, que questionaram se " alguém poderia se engajar de maneira crível como cristão na AfD".

"Não posso me envolver como cristão em uma festa que dramatiza medos, semeia desconfiança e prega a exclusão", disse o clérigo.

Anteriormente, o presidente da Conferência Episcopal Alemã, o cardeal Reinhard Marx, também advertiu sobre "linhas vermelhas" na política que os cristãos não podem atravessar, como "xenofobia, denegrir outras comunidades religiosas, exaltar a própria nação, o racismo, o antissemitismo e a indiferença à pobreza no mundo".

No entanto, Weidel afirma que a AfD é "o único partido cristão que ainda existe", descartando a União Cristã Democrática (CDU) da chanceler Angela Merkel como tendo perdido seus valores religiosos.

"O C na CDU foi reduzido a absurdo", disse política de direita, alegando que existe "uma união muito grande e forte dos fiéis" em seu partido.

No entanto, as opiniões de Weidel não coincidem exatamente com as do co-fundador do AfD, Alexander Gauland, que disse no ano passado que a AfD não era "um partido cristão", mas sim "um partido alemão que se esforça para realizar os interesses alemães".

Manifestantes neonazistas foram às ruas em Berlim para homenagear Rudolf Hess, aliado de Adolf Hitler - Sputnik Brasil
Presidente da Alemanha faz alerta sobre antissemitismo no país

Gauland e Weidel "precisam chegar a um acordo sobre sua compreensão diametralmente oposta do partido", disse a ex-chefe do grupo cristão da AfD, Anette Schultner, à DW, acrescentando que a crítica de Weidel à Igreja era "grotesca".

O próprio partido foi repetidamente acusado de ter a simpatia de nazistas, em razão das declarações inflamatórias de alguns membros do partido. A AfD, no entanto, nega essas afirmações, retratando tais militantes como "cidadãos preocupados".

Este ano, o partido entrou no Bundestag, o Parlamento alemão, pela primeira vez em sua história, assegurando 94 assentos nas eleições gerais de setembro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала