'É uma loucura': especialista sobre o plano de ataque dos EUA à Coreia do Norte

© AP Photo / Ministério da Defesa da Coreia do SulLançamento do sistema de míssil Hyunmoo II durante manobras conjuntas da Coreia do Sul e dos EUA em local desconhecido, julho de 2017
Lançamento do sistema de míssil Hyunmoo II durante manobras conjuntas da Coreia do Sul e dos EUA em local desconhecido, julho de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
De acordo com a mídia, os EUA teriam desenvolvido o plano de ataque à Coreia do Norte. O especialista em ciências políticas, Boris Mezhuev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, assinalou que as consequências da realização de tal plano são completamente imprevisíveis.

A mídia comunicou que a Casa Branca teria iniciado a elaboração de um cenário militar, receando que os métodos diplomáticos possam falhar. Segundo os EUA, o ataque contra a Coreia do Norte vai demonstrar ao líder norte-coreano, Kim Jong-un, que Washington encara seriamente a questão do programa nuclear e de mísseis de Pyongyang.

Comandante do Exército dos EUA na Europa general Ben Hodges (arquivo) - Sputnik Brasil
Alto funcionário: EUA não aceitarão Coreia do Norte nuclear e vão conter a Rússia
No fim de novembro, a Coreia do Norte anunciou que seu novo míssil é capaz de atacar qualquer ponto do território dos EUA. 

O especialista em ciências políticas, Boris Mezhuev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, qualificou os planos dos EUA como loucos. 

"Acredito que o conflito seja real. Mas assumo que haja estratégias de suavização. Uma delas é essa: a Coreia do Norte é avisada que, caso ela não utilize arma nuclear contra territórios da Coreia do Sul ou contra Guam, ou seja, não ultrapasse limites racionais, então, a resposta pode ser limitada somente aos ataques a objetos militares, sem atingir uma grande quantidade de civis. […] Mas, é tudo muito instável. Caso o conflito venha à tona, muito facilmente ele pode se tornar em um conflito nuclear com consequências imprevisíveis. […] É tudo uma loucura, sem dúvidas. Pois, se os EUA não tivessem provocado e tivessem se recusado a realizar manobras conjuntas com a Coreia do Sul, então, provavelmente, nada disso teria acontecido", assinalou Boris Mezhuev. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала