Ex-agente da CIA revela ameaças aos EUA da nova Estratégia de Segurança Nacional

© AFP 2022 / SAUL LOEBDonald Trump discursando sobre a nova Estratégia de Segurança Nacional, 18 de dezembro de 2017
Donald Trump discursando sobre a nova Estratégia de Segurança Nacional, 18 de dezembro de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Estratégia de Segurança Nacional dos EUA pode levar o país a novos conflitos internacionais, disse à Sputnik o ex-agente da CIA e diretor-executivo do Conselho de Interesses Nacionais, Philip Giraldi.

F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA - Sputnik Brasil
Qual é a maior desvantagem do 'caça mais mortífero' dos EUA perante Su-35 russo?
"Dar mais dinheiro a militares, mesmo eles já tendo muito dinheiro, é uma tolice, em particular, porque criará um instrumento tentador que será usado por qualquer presidente para resolver problemas no exterior", disse Giraldi.

Além disso, falando sobre a nova Estratégia de Segurança Nacional, Trump teria usado termos nacionalistas e diálogo para satisfazer seus eleitores, "fazendo com que ouçam o que querem ouvir".

Giraldi notou que desta vez Trump decidiu não chamar a Rússia e China de adversários. "Foi prazeroso não ouvir como chamam Rússia e China de inimigos. Em algumas esferas, na realidade, são concorrentes e adversários, mas, de fato, não ameaçam Estados Unidos", declarou ele.

A administração dos EUA apresentou na segunda-feira (18) a nova Estratégia de Segurança Nacional e suas disposições principais foram expressas por Donald Trump. O documento é escrito em conformidade com as instruções tradicionais do Congresso e servirá de base para outros documentos estratégicos mais detalhados.

A Estratégia inclui quatro interesses cruciais nacionais: defesa dos norte-americanos, aumento do bem estar da população, proteção do mundo através da força e avanço da influência norte-americana. O documento foi preparado pelo Departamento de Estado, Pentágono, Secretaria do Tesouro, Departamento Comercial, CIA e outras instituições.

As principais ameaças, de acordo com o documento, correspondem às ambições da Rússia e da China, às ações dos países-vilões – Irã e Coreia do Norte – e ao terrorismo internacional.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала