Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Inesperado': estaria a Finlândia espionando tropas russas no norte do país?

© Sputnik / Alexei Druzhinin / Abrir o banco de imagensPresidente da Finlândia, Sauli Niinisto, e da Rússia, Vladimir Putin
Presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, e da Rússia, Vladimir Putin - Sputnik Brasil
Nos siga no
As informações obtidas de reportagens da mídia sobre uma agência finlandesa, que supostamente colocou as tropas russas no norte do país sob vigilância, causaram surpresa em Moscou, disse Andrey Krasov, primeiro vice-presidente do Comitê de Defesa da Câmara da Rússia, à Sputnik neste domingo.

No sábado, o jornal Helsingin Sanomat informou que havia uma agência de inteligência na cidade de Tikkakoski, no centro da Finlândia, que supostamente colocara sob vigilância as tropas russas no território do antigo distrito militar de Leningrado.

"Nós temos que verificar essa informação, seja ela mesmo verdadeira. De qualquer forma, sempre dissemos que estamos prontos para construir relações amigáveis. Mas não esperamos algo assim dos nossos colegas finlandeses, se a informação for confirmada. Falando francamente, é uma atitude muito inesperada", disse Krasov.

Aviões Yak-130 da Força Aérea da Bielorrússia durante os preparativos para as manobras russo-bielorrussas Zapad 2017 - Sputnik Brasil
Medo da 'ameaça russa': OTAN deve defender Suécia e Finlândia se forem atacadas

O congressista acrescentou que essa medida só demonstrou que a vigilância das tropas russas estava sendo realizada não só nos Estados-membros da OTAN, mas também nos chamados Estados neutros, incluindo a Finlândia.

"Esta informação nos mostra novamente que há muitas tropas [estrangeiras] em nossas fronteiras", ressaltou Krasov.

Moscou advertiu repetidamente a OTAN contra o acúmulo militar perto de suas fronteiras, dizendo que tal movimento é provocativo e pode levar à desestabilização regional e global.

Em particular, a aliança ocidental tem impulsionado a sua presença militar na Europa Oriental, citando a alegada imigração da Rússia na crise da Ucrânia em 2014. Na sequência da cúpula de julho de 2016, a OTAN anunciou que iria implementar quatro batalhões multinacionais para a Lituânia, Letônia, Estônia e Polônia.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала