Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Acordo de unidade política na Líbia expira e general fala em 'ilegitimidade' do governo

© AP Photo / Mohammed El-SheikhyNesta foto de arquivo de 18 de março de 2015, o General Khalifa Haftar fala durante uma entrevista com a Associated Press em al-Marj, Líbia.
Nesta foto de arquivo de 18 de março de 2015, o General Khalifa Haftar fala durante uma entrevista com a Associated Press em al-Marj, Líbia. - Sputnik Brasil
Nos siga no
O Governo Líbio do Acordo Nacional (GNA) perdeu sua legitimidade quando o acordo político líbio alcançado em dezembro de 2015 em Skhirat expirou, disse o Comandante do Exército Nacional da Líbia, General Khalifa Haftar.

Resgate de migrantes na costa da Líbia - Sputnik Brasil
Escravidão é 'realidade chocante' na Líbia, diz ONU
O acordo político líbio alcançado em dezembro de 2015 em Skhirat delineou a criação do GNA como o governo líbio interino. As Nações Unidas elogiaram o acordo, reconheceram o GNA como o único governo líbio legítimo e pediram aos seus Estados membros que aproveitem o apoio e os contatos oficiais com instituições paralelas. No entanto, as disposições do acordo não foram totalmente implementadas até agora devido a contradições existentes.

"Com o início de 17 de dezembro de 2017, o chamado acordo político termina, e todos os corpos formados de acordo com ele perdem automaticamente sua legitimidade, que é controversa desde o primeiro dia de seu trabalho", disse o Comandante do Exército Nacional da Líbia, General Khalifa Haftar na ocasião do segundo aniversário do acordo Skhirat.

O comandante observou que o Exército se envolveu nas negociações com vários atores internacionais sobre a solução da crise na Líbia e pediu a realização de eleições, mas seus esforços foram silenciados devido à "fraqueza da ONU e à teimosia local".

Escravidão (imagem ilustrativa) - Sputnik Brasil
Quem controla os mercados de escravos na Líbia?
O Exército Nacional Líbio foi ameaçado por intimidação internacional se decidir agir fora dos esforços da ONU, embora o exército apenas obedeça à vontade do "povo livre da Líbia", segundo Haftar.

"Nós rejeitamos fortemente o método de ameaças e intimidação e prometemos ao povo líbio protegê-los, proteger suas capacidades e instituições até o último soldado em nossas fileiras, e também declarar nossa recusa em enviar a qualquer parte, seja qual for a fonte de sua legitimidade, se não fosse eleito pelo povo líbio", sublinhou Haftar.

A Líbia tem estado em tumulto desde a guerra civil de 2011 que resultou na queda do líder do país, Muammar Gaddafi. A parte oriental do Estado degradado pela crise é governada pelo Parlamento, com sede na cidade de Tobruk. O Parlamento é apoiado pelo Exército Nacional Líbio. Ao mesmo tempo, o GNA, liderado por Fayez Sarraj, opera a oeste do país e está sediada em Trípoli.

A ausência de uma autoridade central e do exército no país transformou a Líbia em um centro de contrabando e um ponto de trânsito para os migrantes a caminho da África para a Europa.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала