Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Brasil é um dos 49 países a violar sanções contra Coreia do Norte, dizem pesquisadores

© Sputnik / Semyon Apasov / Abrir o banco de imagensPrimeiro navio da Coreia do Norte chega ao porto russo de Vladivostok
Primeiro navio da Coreia do Norte chega ao porto russo de Vladivostok - Sputnik Brasil
Nos siga no
O Brasil integra uma relação de 49 países que violaram as sanções impostas contra a Coreia do Norte pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, entre março de 2014 e setembro de 2017, "em graus variados", informou um grupo de pesquisa com sede em Washington.

Presente com um enviado diplomático em Pyongyang, o Brasil teria violado as sanções impostas contra o governo norte-coreano em duas áreas não-militares, seja "facilitando empresas, transações financeiras e outras atividades comerciais", ou ainda por "refluxo de embarcações e fornecendo outra assistência para embarques" de "tecnologias, bens e minerais".

"Nossas descobertas indicam que, na busca de atividades proibidas ou ilegais, a Coreia do Norte coopera frequentemente ou explora países com controles de financiamento de exportação e proliferação fracos ou inexistentes, e aqueles que sofrem, em média, com mais corrupção do que outros países", diz o relatório do Instituto de Ciência e Segurança Internacional (ISIS), publicado na última terça-feira.

Caça norte-americano F-16 na base aérea de Osan, Coreia do Sul (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Opinião: sem esforços significativos, não tem como evitar guerra na península da Coreia

Além do Brasil, outros países mencionados como descumpridores das sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU estão a China, a Alemanha, a França, o Canadá, a Rússia, a Índia, entre outros. Embora vários países desenvolvidos sejam mencionados, o governo de Kim Jong-um teria preferência por países com "altos níveis de corrupção" na hora de negociar.

No cerne das trocas militares, há uma forte parceria norte-coreana com países africanos e do Oriente Médio, além de Cuba.

"Em alguns casos, esses regimes predominantemente antidemocráticos receberam treinamento militar da Coreia do Norte; em outros, eles receberam ou exportaram equipamento relacionado com militares para ou da Coreia do Norte", aponta do documento.

Lavagem de dinheiro

Além disso, os pesquisadores destacam que nada menos do que 44 países listados apoiaram empresas norte-coreanas de fachada, utilizadas para importação de bens sancionados e que, para fugir das regras da ONU, se localizam em jurisdições em paraísos fiscais, lavando assim dinheiro voltado ao seu programa militar.

Outros 20 países ainda são tidos como cooperadores da Coreia do Norte ao disfarçar o registro nacional de navios do país asiático, o que garante o ir e vir de remessas que interessam a Pyongyang.

Como sugestões, o ISIS elogia o papel dos Estados Unidos e da Europa, que “devem pressionar todos os países envolvidos em militares ou o comércio sancionado com a Coreia do Norte para impedir tais atividades e implantar suas próprias designações de sanções contra aqueles que não conseguem fazê-lo”.

Lançamento do míssil balístico intercontinental Hwasong-12 (29 de julho, 2017) - Sputnik Brasil
Brasil condena testes da Coreia do Norte e dá apoio às sanções da ONU

E não é só: a comunidade internacional deve cobrar países ligados aos norte-coreanos por conta de controles mais rígidos de exportações, sobretudo os que possuam uma legislação pouco eficaz ou inexistente, e aqueles que tiveram envolvimento militar com Pyongyang devem expulsar colaboradores norte-coreanos, sob pena de ter ativos bloqueados.

"Embora seja necessária uma série de remédios para corrigir o mau desempenho de muitos dos países identificados neste relatório, envolvidos em violações de sanções, a criação de medidas punitivas é um meio efetivo para acelerar o comportamento mais complacente no curto prazo não apenas nesses países, mas entre todos os países que podem fazer negócios com a Coreia do Norte", conclui.

De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o fluxo comercial entre Brasil e Coreia do Norte em 2016 foi de US$ 10,75 milhões (cerca de R$ 34 milhões), valor distante dos US$ 375,2 milhões de transações registradas entre os dois países em 2008.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала