'Séria provocação': Coreia do Norte ataca EUA após ser apontada como Estado terrorista

© Sputnik / Ilia Pitalev / Abrir o banco de imagensUm complexo de defesa antiaérea do Exército Popular da Coreia é visto durante o desfile dos 105 anos de nascimento de Kim Jong-il 9 (foto de aqruvio)
Um complexo de defesa antiaérea do Exército Popular da Coreia é visto durante o desfile dos 105 anos de nascimento de Kim Jong-il 9 (foto de aqruvio) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Coreia do Norte não escondeu a sua irritação com os Estados Unidos nesta quarta-feira por recolocarem Pyongyang como um Estado patrocinador do terrorismo, afirmando que a atitude de Washington é uma "séria provocação".

O porta-voz norte-coreano do Ministério de Relações Exteriores disse à mídia estatal que Pyongyang continuaria a fortalecer sua força de dissuasão contra a política hostil do governo estadunidense.

A Coreia do Norte disse que reaparecer em uma lista dos EUA de países que apoiam o terrorismo é "uma séria provocação e uma violação violenta contra o nosso país digno".

Chanceler norte-coreano Ri Yong-ho - Sputnik Brasil
Chanceleres de Coreia do Norte e Cuba encontram-se e mandam recado para os EUA

"Os EUA serão responsabilizados por todas as consequências decorrentes de sua provocativa atitude contra a RPDC [Coreia do Norte]", disse o porta-voz do ministério norte-coreano ao jornal norte-coreano Rodong Sinmun.

Ainda de acordo com o mesmo funcionário norte-coreano, o país asiático nunca se envolveu em qualquer atividade terrorista, ao contrário do que a Casa Branca possa alegar.

A decisão de recolocar a Coreia do Norte em uma lista de patrocinadores estatais do terrorismo pela primeira vez em nove anos foi do presidente dos EUA, Donald Trump, na última segunda-feira.

A medida é parte da pressão estabelecida por Washington para que Pyongyang desista de suas armas nucleares. Segundo o republicano, a Coreia do "apoiou atos internacionais de terrorismo, incluindo assassinatos em solo estrangeiros".

"O regime norte-coreano deve ser lícito, deve acabar com o desenvolvimento de um míssil balístico nuclear e cessar todo o apoio ao terrorismo internacional, o que não está fazendo", disse Trump.

Líder norte-coreano Kim Jong-un durante visita a uma fábrica de caminhões do país asiático - Sputnik Brasil
Kim Jong-un: sanções fortalecem trabalhadores e 'milagre' da Coreia do Norte

Para Pyongyang, a atitude de Trump é um instrumento "de destruir países independentes", e só serve para fortalecer a meta da Coreia do Norte de desenvolver o seu arsenal nuclear.

Um dia depois, na terça-feira, Washington impôs novas sanções contra entidades chinesas e norte-coreanas, além de navios suspeitos de ajudar o programa de armas nucleares de Pyongyang.

Além da Coreia do Norte, a lista do Departamento de Estado dos EUA com os chamados "patrocinadores do terrorismo" também inclui o Irã, o Sudão e a Síria. A Coreia do Norte foi incluída pela primeira vez na lista em 1988, depois que os agentes norte-coreanos foram acusados de explodir um jato de passageiros sul-coreano. Todas as 115 pessoas a bordo foram mortas.

O presidente republicano George W. Bush retirou a Coreia do Norte da lista em 2008, depois que Pyongyang concordou em desmantelar uma fábrica de plutônio e permitir inspeções internacionais limitadas para verificar suas instalações.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала