Por que imagem de Charles Manson se tornou parte da subcultura dos EUA?

© REUTERS / HandoutAssassino em série, Charles Manson, em uma foto divulgada pelo Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia, 16 de julho de 2011
Assassino em série, Charles Manson, em uma foto divulgada pelo Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia, 16 de julho de 2011 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nos EUA o assassino em série, Charles Manson, condenado à prisão perpétua, faleceu em um hospital por complicações de saúde. O especialista Aleksandr Kubyshkin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, referiu-se a Manson como uma figura obscura de um período controverso da história norte-americana.

Charles Manson morreu aos 83 anos. Debra Tate, irmã da atriz Sharon Tate – uma das vítimas do assassino norte-americano, confirmou ao portal TMZ que Charles Manson faleceu no domingo (19).

O ano de 1969 foi palco do seu crime mais sangrento: em agosto Manson matou sete pessoas, entre elas estava Sharon Tate, esposa do diretor cinematográfico Roman Polanski. Com a eliminação da lei sobre execução na Califórnia, ele foi condenado à prisão perpétua.

A notícia sobre sua hospitalização saiu ainda na semana passada. O departamento de execuções e reabilitação de prisioneiros da Califórnia confirmou falecimento de morte natural do assassino em série.

O professor da Universidade Estatal de São Petersburgo, Aleksandr Kubyshkin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, contou por que a imagem de Charles Manson foi inserida tão firmemente na cultura norte-americana.

Veneno - Sputnik Brasil
Japão enforcará 'viúva negra' por ter envenenado namorados ricos
"A imagem de Charles Manson faz parte da 'subcultura do protesto', cultura disseminada nos EUA desde os finais de 1950, em especial nos anos 60 e 70. Trata-se de uma figura muito obscura de um período controverso da história norte-americana."

"Seitas satânicas, proliferadas por todo território dos EUA na época, refletiam uma situação bastante específica da vida intelectual e espiritual do país atingido por uma crise gravíssima devido à Guerra do Vietnã, aos movimentos pelos direitos civis e pela liberdade das mulheres […] Em meio a isso, surgiram movimentos culturais alternativos, incluindo cultura satânica ligada a seitas pseudorreligiosas que defendiam um estilo de vida amoral, amor livre etc", disse Aleksandr Kubyshkin.

Para o especialista, os crimes cometidos por Manson e seus cúmplices se tornaram uma página triste da história norte-americana.

"Manson era um homem ambicioso. Na cadeia ele se dedicou à música, e, se não me engano, até tentou fazer parte de um grupo musical famoso na época – The Monkees."

A banda anunciou o concurso para escolha de novo integrante; Manson era um dos 400 candidatos. Contudo, não conseguiu. Ao sair da prisão, ele criou uma comunidade que propagava uma convivência livre, bem como princípios de ódio racial, violência e satanismo.

Para especialista, trata-se de uma página triste na cultura norte-americana, pois tudo estava acompanhado de crimes e assassinatos. Em resultado, Manson foi condenado à pena de morte, mas por causa da lei no estado californiano, ele viveu até 83 anos e faleceu na cadeia.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала