- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Brasil condena testes da Coreia do Norte e dá apoio às sanções da ONU

© REUTERS / KCNA Lançamento do míssil balístico intercontinental Hwasong-12 (29 de julho, 2017)
Lançamento do míssil balístico intercontinental Hwasong-12 (29 de julho, 2017) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Brasil criticou a Coreia do Norte por estar prejudicando a estabilidade global, diante de sua drástica mudança de comportamento com testes nucleares e de mísseis neste ano, afirmou o ministro da Defesa brasileiro, Raul Jungmann, na última sexta-feira.

"O Brasil condena os lançamentos de mísseis pela Coreia do Norte e seguirá plenamente as resoluções do programa do Conselho de Segurança [da ONU] e contribuirá para criar as condições necessárias para voltar às negociações sobre paz e desnuclearização", disse Jungmann através de um tradutor a convidados no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, em Washington.

O Conselho de Segurança da ONU vem impondo sanções econômicas cada vez mais severas contra a Coreia do Norte por conta dos esforços do país para desenvolver mísseis de ponta nuclear que podem chegar ao continente americano.

Lançamento do míssil balístico de curto alcance sul-coreano Hyunmoo II durante as manobras conjuntas dos EUA e Coreia do Sul - Sputnik Brasil
Descartar opção militar contra Coreia do Norte enfraquece negociações, diz analista

A ausência de testes de mísseis norte-coreanos nos últimos dois meses provocou especulações — particularmente na rival da Coreia do Sul — de que a nação isolada do Norte pode estar disposta a iniciar negociações sobre seus programas de armas.

A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, repetidamente pressionou a China a ajudar a conter as ambições nucleares da Coreia do Norte e, no início desta semana, Pequim anunciou que estava enviando o presidente do Partido Comunista, Song Tao, para Pyongyang para conversas com autoridades locais.

O anúncio ocorreu menos de uma semana após a visita de Trump à Ásia, que incluiu uma reunião de cúpula com o presidente chinês Xi Jinping em Pequim.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала