Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

E agora, Merkel? Novas eleições podem ser a saída para impasse na Alemanha

© AFP 2021 / Michael Sohn,Angela Merkel e bandeira da Alemanha, foto de arquivo
Angela Merkel e bandeira da Alemanha, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Nos siga no
Na Alemanha, a turbulência reinou na última quinta-feira diante do frustrado anúncio da decisão final sobre a criação de uma nova coalizão governante. O documento final acabou não sendo divulgado e cresceram as chances de que novas eleições sejam convocadas no país.

Os negociadores do bloco formado pela União Democrata Cristã (CDU), liderados pela atual chanceler Angela Merkel e a União Social Cristã (CSU), seus colegas do Partido Democrático Livre (FDP), e a Aliança 90 / Os Verdes continuam a negociar a criação de um governo conjunto desde o último dia 18 de outubro.

O que virá a seguir? Algumas possibilidades estão na mesa.

"Coalizão Jamaica" chegou?

Essas longas negociações começaram semanas após as últimas eleições na Alemanha, o que trouxe alguns resultados inesperados. Um dos mais proeminentes foi que, depois de perder para Merkel, o então chanceler do Partido Social Democrata (SPD), Martin Schulz, anunciou que seu partido não irá reeditar a coalizão com a CDU e a CSU e vai ser um partido de oposição ao bloco da primeira-ministra.

Cartaz com Angela Merkel em uma das ruas de Berlim na véspera das eleições parlamentares alemãs - Sputnik Brasil
Merkel inicia negociações para formar coalizão

Por sua vez, Winfried Kretschmann, membro da Aliança 90 / Os Verdes e ministro-presidente do Estado federal de Baden-Württemberg, assegurou pouco depois das eleições que seu partido estava aberto a negociações para formar uma coalizão com o bloco Merkel. O FDP também se juntou às negociações.

Apesar das conversas duradouras dos líderes desses quatro partidos, a formação de um eventual executivo conjunto ainda está em dúvida, que a mídia apelidou de "Coalizão Jamaica" por causa da semelhança entre as cores da bandeira deste país caribenho e dos partidos alemães.

"Poucas indicações apontam uma aliança estável entre eles", diz o jornal Die Zeit. Uma das principais causas de tais dúvidas é a presença de disputas entre três das partes nos assuntos mais importantes para o país alemão.

O que dificulta a chegada do governo quadripartidário?

As divergências de opinião dos quatro partidos residem em questões como política de migração, proteção ambiental, atitude em relação à União Europeia e gerenciamento de orçamento, entre outros.

Em relação à migração, as opiniões do bloco da CDU e CSU e o FDP não coincidem no número de imigrantes permitidos na Alemanha. Os Verdes também defendem que os refugiados possam trazer seus parentes mais próximos com eles para a Alemanha, enquanto a CSU sustenta que são necessárias restrições rigorosas sobre o número de imigrantes.

Essas e outras questões, a este respeito, impedem os membros da possível coalizão de chegarem a um acordo.

Em relação ao meio ambiente, os Verdes insistem em reduzir o número de usinas de energia em que a energia é obtida a partir de combustíveis fósseis, para reduzir significativamente as emissões de dióxido de carbono e alcançar os objetivos estabelecidos para o horizonte 2020. Enquanto isso, os outros partidos consideram que tal passo "não faz sentido" do ponto de vista econômico e pode ser "perigoso". Existem também outras diferenças em suas posições.

Além disso, as formações políticas não conseguem coincidir nas orientações das futuras orientações do país em relação à UE e as despesas do orçamento nacional.

Por exemplo, o FDP se opõe à ideia de dar ajuda a países que estão passando por situações como a que a Grécia experimentou, enquanto os Verdes apoiam as ideias do presidente francês Emmanuel Macron sobre a introdução de reformas dentro da UE e de todos a zona do euro.

Além disso, eles não conseguem chegar a uma posição conjunta em relação aos sistemas de segurança dos depósitos bancários: em particular, se eles precisam ser "europeizados" ou não.

"Um furacão está se aproximando da 'Jamaica'"

E os negociadores não tentam esconder seu descontentamento com o atual patamar das negociações.

No final de uma rodada na quarta-feira, Winfried Kretschmann atacou a atitude da CSU ante o seu partido, afirmando que "ou é negociado — e então está pronto e não recorre a ataques maiores [e expressos de forma radical] contra outras partes — ou não vou parar de suspeitar que esses senhores não querem nada negociado aqui de forma construtiva e bem-sucedida". E, se for esse o caso, "eles deveriam dizer isso" abertamente, pediu Kretschmann. 

Angela Merkel, chanceler da Alemanha - Sputnik Brasil
Partido de Merkel leva quarto mandato, mas registra pior resultado desde 1949

O representante da Aliança 90 / Os Verdes reconheceu que suas declarações "não soam otimistas".

Por seu lado, o vice-presidente do FDP, Wolfgang Kubicki, também expressou ceticismo ao se referir ao sucesso de uma coalizão com essas características. "Eu diria que a 'Jamaica' está se aproximando de um furacão", disse ele na quarta-feira.

No entanto, a chanceler Angela Merkel tem sido otimista. Apesar das "grandes diferenças" nas posições dos quatro partidos, "acho que isso pode acontecer", disse quinta-feira em referência à formação de um governo conjunto, citada pelo Die Welt.

E se eles não chegarem a um acordo?

A Deutsche Welle acredita que, se as negociações da CDU / CSU, da FPD e da Aliança 90 / Os Verdes falharem, Merkel poderia dirigir-se ao partido SPD, seus ex-parceiros, e perguntar se eles ainda se recusam a retomar a cooperação no âmbito de uma nova coalizão. Se os social-democratas suavizarem sua posição e respondem com um sim, sua união terá maioria no Bundestag, o Parlamento alemão.

Enquanto isso, o secretário-geral do SPD, Hubertus Heil, disse em uma entrevista à revista Focus na semana passada que seu partido não está disponível como uma opção de "reserva" e que, se possível, membros da "Coalizão Jamaica" falham em sua criação, a situação poderia levar a novas eleições federais.

Nesse sentido, a Focus também acredita que um fracasso nas negociações significaria que todos deveriam responsabilizar o atual chanceler, o que significaria uma "derrota desagradável" tanto para si mesma quanto para a festa.

Como resultado da difícil situação em relação à criação da "Coalizão Jamaica", "o futuro político do país raramente é incerto como neste momento", resume o jornal Die Zeit.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала