Luta por dinheiro: quem combateria a Rússia no provável exército da Europa

© Sputnik / Stanislav Saveliev / Abrir o banco de imagensDemonstração de material militar da OTAN na Letônia
Demonstração de material militar da OTAN na Letônia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Mais de 20 países da União Europeia celebraram em 13 de novembro o pacto sobre a criação de uma união de defesa, a Cooperação Estruturada Permanente (PESCO, na sigla em inglês) que seria mais um passo em direção à criação do exército europeu. O analista militar, Martin Koller, comentou o tema em entrevista à Sputnik.

Bandeiras dos EUA e da OTAN em frente dos caças F-22 Raptor  da Força Aérea norte-americana, na Lituânia - Sputnik Brasil
EUA estão perdendo o controle da Europa: será que OTAN vai colapsar?
O exército europeu, "em teoria, é capaz de funcionar perfeitamente", afirma o entrevistado, mas mesmo apto a transportar cargas, não garante ser capaz de combater na realidade.

"Vou repetir: que interesse tem um soldado português na República Tcheca, e que interesse tem um soldado tcheco em Portugal? A União Europeia é composta por nações e dividida por suas línguas e, o que é mais importante, por seus interesses", enfatizou.

De acordo com analista, a situação atual, na qual a UE vai se orientando até uma possível guerra contra a Rússia, não muda nada neste âmbito, pois os países da União, em sua maioria, já optaram pelas Forças Armadas de recrutamento profissional.

Exércitos europeus sofrem a influência negativa do sistema da União Europeia por "não existir o patriotismo pan[europeu]", frisou Koller.

Tanques M1Abrams da OTAN (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Mundo pode logo evidenciar abertura do 'Schengen para tanques da OTAN'
"Por que causa lutarão estes soldados? Serão mercenários ordinários que lutam por dinheiro. Como bem se sabe, mercenários lutam para gastar dinheiro [que ganham], e não por um monumento sobre seu túmulo", manifestou.

O especialista também comentou as declarações do chanceler russo a respeito do "Schengen europeu", que qualificou como método para intensificar presença perto das fronteiras com a Rússia.

"70% das atividades da OTAN são realizadas em conformidade com os interesses dos EUA, pois o senhor Lavrov tem razão. A OTAN era rival do Pacto de Varsóvia, que já não existe. Ademais, é logico que os EUA apoiem decisões que levem a mais perdas da Europa", explicou Koller.

No caso de um provável conflito entre a Europa e a Rússia, os Estados Unidos se imporiam sobre duas partes debilitadas, concluiu o analista ao expressar a esperança de que um conflito com a Rússia "fique sempre apenas nos papéis".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала