Escapando da morte: 5 histórias de verdadeiros milagres em acidentes aéreos

© Sputnik / Aleksandr YurievLugar do acidente com o avião Yak-42, que transportava todo o time principal do clube de hóquei russo Lokomotiv Yaroslavl
Lugar do acidente com o avião Yak-42, que transportava todo o time principal do clube de hóquei russo Lokomotiv Yaroslavl - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Uma menina de 4 anos se tornou a única sobrevivente do acidente aéreo no Extremo Oriente russo, dado que, por milagre, não sofreu nenhum ferimento grave à saúde. O portal RT em inglês publicou uma resenha com as histórias mais marcantes de pessoas únicas, que conseguiram escapar da morte em acidentes aéreos.

Caça russo Su-24 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Avião russo sofre acidente na Síria, pilotos morrem
Na quarta-feira (15), uma aeronave pequena caiu na região de Khabarovsk ao tentar aterrissar no povoado de Nelkan. A difícil aterrissagem provocou o colapso do avião, sendo que dois membros da tripulação e quatro passageiros morreram. O avião caiu da altura de 600 metros direto na floresta, porém, uma criança conseguiu sobreviver ao ocorrido.

De acordo com o RT, a menina sofreu concussão e quebrou a perna, e foi transferida para um hospital local em estado crítico. A menina estava viajando para visitar sua avó sem seus pais, mas acompanhada pela professora da escola. Alegadamente, a mulher teria coberto a criança com seu corpo para protegê-la das lesões, de acordo com as testemunhas que vieram ao local do acidente.

Queda sem precedentes

Em 27 de janeiro de 1972, a aeromoça Vesna Vulovic, de 22 anos, estava viajando na Yugoslav Airlines, voo 367, para a cidade de Belgrado, quando o avião explodiu em pleno ar. O acidente ocorreu perto de Srbska Kamenice, na República Tcheca. De 28 pessoas que estavam a bordo, só Vesna conseguiu sobreviver, caindo de uma altura de mais de 10 mil metros, após a explosão de uma bomba terrorista colocada dentro do avião.

© AP PhotoAeromoça Vesna Vulovic, única sobrevivente do voo Yugoslav Airlines Flight 367 em 1972 (foto de arquivo)
Aeromoça Vesna Vulovic, única sobrevivente do voo Yugoslav Airlines Flight 367 em 1972 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Aeromoça Vesna Vulovic, única sobrevivente do voo Yugoslav Airlines Flight 367 em 1972 (foto de arquivo)

Ela sofreu múltiplas fraturas e ficou 27 dias em coma, passando os 16 meses seguintes no hospital. A salvação milagrosa da mulher entrou no Livro Guinness dos Recordes, pela queda não mortal mais longa sem paraquedas.

"As pessoas sempre querem ficar sentadas perto de mim em aviões", disse ela.

Depois, Vesna voltou a trabalhar com a linha aérea, mas fazendo trabalhos em escritório, embora alegadamente ansiosa para voltar aos voos algum dia.

Tragédia em hóquei russo

O avião Yak-42, que transportava todo o time principal do clube de hóquei russo Lokomotiv Yaroslavl, colidiu com a terra poucos minutos após a decolagem, matando imediatamente 43 pessoas, em 7 de setembro de 2011.

UH-60 Blackhawk helicopter of the Saudi-led Arab coalition. (File) - Sputnik Brasil
Helicóptero com membros do governo cai na Arábia Saudita
Entretanto, os jogadores do clube e da Seleção Russa de Hóquei, Aleksandr Galimov, e o membro da tripulação, Aleksandr Sizov, conseguiram sobreviver. Passados cinco dias após a tragédia, Galimov cedeu a seus ferimentos.

"Decolamos de um terreno não pavimentado, eu já imaginei que o avião estava caindo e que nós sofreríamos um acidente", contou Aleksandr Sizov em uma das entrevistas.

Uma das maiores tragédias do esporte russo, tornando o dia 7 de setembro uma data obscura para os clubes de hóquei russos, portanto, que para este dia nunca se planejam quaisquer eventos.

A catástrofe é lembrada não só na Rússia, mas também nos países de origem dos jogadores, inclusive Bielorrússia, República Tcheca, Alemanha, Letônia, Eslováquia, Suécia e Ucrânia.

Menina do milagre

Bahia Bakari, uma menina de Paris com 12 anos de idade, deu-se por si quando estava dentro da água agarrada aos destroços, depois de um voo da Yemenia Airways para as Ilhas Comores com 153 pessoas a bordo, cair no Oceano Índico, em 30 de junho de 2009.

© AFP 2022 / PATRICK KOVARIKBahia Bakari, menina de Paris que sobreviveu o acidente do voo de línhas Yemenia Airways em 2009
Bahia Bakari, menina de Paris que sobreviveu o acidente do voo de línhas Yemenia Airways em 2009  - Sputnik Brasil
Bahia Bakari, menina de Paris que sobreviveu o acidente do voo de línhas Yemenia Airways em 2009

Bakari ficou boiando na água por 10 horas, até que um pescador que estava de passagem resgatou-a do mar.

"Eu a perguntei o que aconteceu e ela disse: 'Vimos o avião caindo ao mar. Eu me vi ao mar. Estava ouvindo as pessoas falando, mas não consegui ver ninguém. Papai, eu não conseguia nadar muito bem. Eu agarrei algo, mas não sei o que era", contou o pai da menina depois.

Já que todas as outras 152 pessoas a bordo morreram, a história de Bakari foi apresentada como um milagre.

"Em meio ao luto, lá está Bakari. É um milagre, é uma batalha extraordinária pela sobrevivência", afirmou o ministro de Cooperação da França, Alain Joyandet.

Quando salvação se torna tragédia

Ruben Van Assouw virou o protagonista de manchetes em todas as línguas após ter sobrevivido ao acidente das linhas aéreas Afriqiyah Airways Airbus 330-200, perto da capital libanesa, Tripoli, em 12 de maio de 2010. O acidente matou 103 passageiros e membros da tripulação, incluindo os pais do menino e seu irmão mais velho.

O menino de 9 anos estava viajando para casa voltando de um safari na África do Sul, onde seus pais celebraram o aniversário de casamento, conforme as tradições holandesas.

© AFP 2022 / STRRuben Van Assouw, de 9 anos, único sobrevivente do acidente das linhas aéreas Afriqiyah Airways Airbus 330-200 em 2010
Ruben Van Assouw, de 9 anos, único sobrevivente do acidente das linhas aéreas Afriqiyah Airways Airbus 330-200 em 2010 - Sputnik Brasil
Ruben Van Assouw, de 9 anos, único sobrevivente do acidente das linhas aéreas Afriqiyah Airways Airbus 330-200 em 2010

Inconsciente e sangrando, Ruben foi encontrado preso em seu assento debaixo dos destroços.

"Estou no hospital. Há homens e mulheres. Não sei como vim parar aqui, não sei de nada", disse Ruben ao jornal De Telegraaf na época, enquanto estava se recuperando de numerosas fraturas nas pernas. Mais tarde, foi relatado que o menino estaria sendo criado por seus tios na Holanda.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала