'Aventura perigosa': como comando dos EUA lida com escassez de pilotos militares

© AFP 2022 / DANIEL MIHAILESCUPiloto da Força Aérea norte-americana com F-22 Raptor dos EUA (à esquerda) e MiG-21 Lancer da Força Aérea da Romênia (à direita) em fundo, foto de arquivo
Piloto da Força Aérea norte-americana com F-22 Raptor dos EUA (à esquerda) e MiG-21 Lancer da Força Aérea da Romênia (à direita) em fundo, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Força Aérea norte-americana enfrenta uma falta de cerca de 2.000 pilotos, declarou a secretária da Força Aérea dos EUA, Heather Wilson, citada pela mídia.

Segundo ela, tudo isso é explicado pela exaustão dos próprios pilotos: "Nos esgotamos os nossos efetivos", afirmou. O portal Air Force Magazine acrescenta um ano antes a escassez era de 1.500 pilotos.

Chefe do Estado Maior da Força Aérea dos EUA, David Goldfein, por sua vez, declarou que a quantidade de pilotos que podem ser preparados em um ano aumentou para 1.400. No entanto, destacou ele, não é possível ensinar tudo aos pilotos apenas em um ano.

O serviço russo da Rádio Sputnik contatou com o ex-militar e analista russo, Viktor Baranets, para saber sua opinião.

F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA - Sputnik Brasil
Batalha do século: F-22 vs Su-57, qual tem mais chances de vencer?
A que está ligado o problema que enfrenta a Força Aérea norte-americana? Primeiro, esta dificuldade já não é uma novidade. Os EUA estão aumentando a quantidade de aviões na sua Força Aérea que precisa de cada vez mais pilotos, muito frequentemente um aparelho precisa de várias tripulações. No entanto, esta não é a única causa. Não é segredo que em muitos aviões de guerra dos EUA foram detectadas falhas técnicas bem sérias que até provocam doenças aos pilotos. Estes dois fatores fizeram com que as fileiras de pilotos dos EUA se tenham reduzido.

"Claro que 12 meses não é suficiente para preparar um piloto. Alguns precisam de quatro, cinco ou até seis anos. Mas parece que os EUA decidiram fazer tudo com poucas perdas. Sem uma exploração excessiva dos pilotos considerando que poucos se recusarão a voar, porque são bastante bem pagos", declarou Baranets.

Assim, a máquina americana de preparar pilotos falhou, continuou. Mas, aparentemente, ninguém prestou atenção a tempo. Tomando em consideração a quantidade de pilotos americanos em várias partes do mundo… As Forças Armadas serem "esticadas" para outros continentes faz com que os pilotos não estejam preparados para trabalhar em diferentes condições climáticas.

"Muitos sofrem acidentes, isto também provocou um ‘rombo' muito sério no pessoal da Força Aérea norte-americana", frisou Baranets.

Caça F-35 being sendo reabastecido na Base Aérea de Eglin, na Flórida - Sputnik Brasil
Estranhos 'incidentes fisiológicos' paralisam pilotos de caças F-35 dos EUA
Ele apontou que as medidas que empreende o Comando da Força Aérea dos EUA, a preparação em um ano, é uma aventura bastante perigosa porque o material e equipamento dos aviões se tornam mais complexos a cada nova versão e os pilotos precisam mais formação para poder dirigir.

"É uma aventura que poder levar a consequências sérias. Os aviões simplesmente vão começar caindo", advertiu.

Baranets lembrou que o orçamento militar dos EUA é o maior do mundo, mas eles precisarão de ainda mais dinheiro se quiserem ter efetivos bem preparados. O que eles não podem mudar, bem como os outros países, são as regras de voo, resumiu o analista militar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала