Por que uma invasão na Coreia do Norte é um verdadeiro pesadelo para os EUA?

© AP Photo / Ahn Young-joonMilitares do batalhão de guerra química do exército dos EUA numa base militar na Coreia do Sul
Militares do batalhão de guerra química do exército dos EUA numa base militar na Coreia do Sul - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O analista do The National Interest Kyle Mizokami tenta prever em detalhes o cenário de tal operação considerando todas as particularidades da localização geográfica do país.

Soldados norte-americanos e sul-coreanos durante os exercícicos na Coreia do Sul - Sputnik Brasil
Quantas vidas vai custar uma invasão terrestre norte-americana da Coreia do Norte?
A Coreia do Norte é um pouco maior que Ohio. O sul do país faz fronteira com a Coreia do Sul, ao oeste tem o mar Amarelo, e este faz fronteira com a China e Rússia. A fronteira do Sul é fortemente fortificada, com uma zona desmilitarizada de 4 km entre as duas Coreias. Cerca de um décimo da população fica no capital do país, Pyongyang. 

Qualquer invasão da Coreia do Norte exige a análise destas realidades geográficas, acrescenta Kyle Mizokami em seu artigo para o The National Interest. O exército de 1,2 milhões de pessoas consiste de 19 unidades militares, incluindo 19 subdivisões de infantaria, 4 subdivisões das tropas mecanizadas, uma subdivisão das forças armadas, uma da artilharia, o Comando da Defesa de Pyongyang, o Departamento de Orientação de Mísseis e o Departamento de Orientação de Infantaria Ligeira. Mais da metade das forças, especialmente a artilharia e as tropas mecanizadas se deslocam perto da zona desmilitarizada, fazendo o cenário de um possível ataque à fronteira não muito privilegiado. 

A entrada de um túnel de invasão sob a zona desmilitarizada entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte, vista da parte sul, em 27 de setembro de 2006 - Sputnik Brasil
Mídia: 'Império subterrâneo' norte-coreano pode causar grandes problemas para os EUA
De acordo com o autor, um objetivo óbvio para o início da invasão é a cidade costeira de Wonsan. Nesta área se deslocam as subdivisões das tropas mecanizadas e da infantaria, mas o porto de Wonsan e o aeroporto que fica perto da cidade, fornecem o trampolim perfeito para uma maior ofensiva e para o avanço ao centro do país, afirma o autor. Tal ataque seria difícil, mas precedido pelo plano de contingência sul-coreano Kill Chain, que pretende lançar a defesa norte-coreana ao caos. 

A conquista de Pyongyang semeará pânico entre as forças norte-coreanas ao longo da fronteira, que percebendo que estão separados do seu comando vão alegadamente se deslocar para o norte.  

As Forças Aéreas dos EUA e da Coreia do Sul atacarão colunas mecanizadas. Isso, de acordo com o autor, possa ser a maior oportunidade para destruir um número grande de forças norte-coreanas. 

Com a retirada das forças norte-coreanas da zona desmilitarizada, o exército norte-americano e os soldados sul-coreanos podem projetar um ataque à fronteira, para tentar se juntar aos marinheiros que já estarão agindo no território da Coreia do Norte. Ao mesmo tempo, as forças especiais dos EUA e da Coreia do Sul podem lançar várias operações contra as instalações com armas biológicas, químicas e nucleares para não permitir a utilização delas. 

Lançamento de míssil balístico intercontinental, EUA - Sputnik Brasil
7 opções militares, 300 mil mortos e US$ 1,4 tri: EUA detalham guerra com Coreia do Norte
Será muito difícil unir as duas campanhas e é muito provável que resistem separados, como foi durante a Guerra das Coreias. Ambas as campanhas devem garantir a segurança nas fronteiras com a China e Rússia, mas, segundo o autor, o deslocamento para estas zonas fronteiriças pode provocar a intervenção imediata contra os EUA e as forças da Coreia do Sul. 

O cenário de invasão terrestre prevê vários objetivos principais, sublinha Kyle Mizokami. O primeiro e mais importante, é neutralizar o regime de Kim Jong-un e as armas nucleares e químicas. O segundo é vencer sobre as forças norte-coreanas para não permitir que eles se convertam em uma força insurgente como Feyadeen Saddam no Iraque. O terceiro objetivo é que ambos os países devem entrar para as cidades para não permitir uma catástrofe humanitária. 

Uma guerra terrestre com a Coreia do Norte será uma operação extremamente complicada com perdas civis e militares de ambas as partes do conflito. De fato, afirma Mizokami, esta operação pode se transformar em um conflito com o envolvimento de ataques de mísseis contra Guam, Japão e Coreia do Sul. Os EUA enfrentarão um risco enorme. Apesar do fato que a vantagem tecnológica dos EUA garantirá a dominância das suas forças no campo de batalha, os EUA terão pouco espaço para erros. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала