Tóquio e Washington acordam exercer máxima pressão sobre Pyongyang

© REUTERS / Kiyoshi OtaPresidente norte-americano, Donald Trump, com premiê japonês, Shinzo Abe durante coletiva de imprensa em Tóquio, 6 de novembro de 2017
Presidente norte-americano, Donald Trump, com premiê japonês, Shinzo Abe durante coletiva de imprensa em Tóquio, 6 de novembro de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos e o Japão acordaram exercer a máxima pressão sobre a Coreia do Norte para alcançar a suspensão do programa nuclear por parte de Pyongyang.

"Não é hora de dialogar por dialogar. É hora de efetuar a máxima pressão possível sobre a Coreia do Norte", afirmou o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, durante a coletiva de imprensa realizada depois da reunião com Donald Trump.

Shinzo Abe adicionou que, em resposta aos testes da Coreia do Norte, o Japão vai introduzir sanções adicionais contra cidadãos e empresas norte-coreanos.

Soldados norte-coreanos (arquivo) - Sputnik Brasil
Conter o 'malandro': Coreia do Norte indica como pretende pressionar EUA
O premiê japonês afirmou ainda que a interceptação dos mísseis norte-coreanos é possível com a coordenação de ações entre o Japão e os EUA.

Quanto a isso, Trump sublinhou o seguinte: com mais armas americanas, o Japão poderá facilmente interceptar os mísseis norte-coreanos no ar.

"Se comprarem mais armas adicionais aos EUA, poderão facilmente interceptar mísseis no ar", destacou Donald Trump.

Abe, por sua parte, confirmou que o Japão pretende adquirir novas armas norte-americanas para melhorar sua capacidade de defesa.

O encontro entre Trump e Abe foi realizado no âmbito do périplo de Donald Trump pela Ásia, que começou em 4 de novembro no Japão e inclui visitas à China, Coreia do Sul, Vietnã e acaba nas Filipinas em 14 de novembro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала