Seul avisa Japão contra uso de Pyongyang como pretexto para expansão militar

© AP Photo / Ha Kyung-minSubmarino nuclear USS Michigan se aproxima da base naval em Busan, Coreia do Sul, em meio a provocações nucleares por parte da Coreia do Norte
Submarino nuclear USS Michigan se aproxima da base naval em Busan, Coreia do Sul, em meio a provocações nucleares por parte da Coreia do Norte - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, tentou há pouco atenuar as tensões crescentes na Ásia depois dos lançamentos de mísseis por Pyongyang e de sua retórica beligerante com os EUA.

Ele descartou a ideia de uma aliança militar entre a Coreia do Sul, o Japão e os EUA e avisou Tóquio contra o uso da Coreia do Norte como pretexto para uma expansão militar.

O líder sul-coreano reconheceu as tensões crescentes originadas pela Coreia do Norte e saudou a cooperação militar com o Japão e os EUA.

"A cooperação entre a Coreia do Sul e os EUA, tal como com o Japão, se tornou importante, mas ela está destinada a enfrentar as provocações nucleares da Coreia do Norte", disse o presidente, citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Contudo, Moon Jae-in parece estar excluindo a criação de uma nova aliança militar entre os três países.

"Não acho que seja oportuno desenvolver a cooperação até ao nível de aliança militar [trilateral]", adicionou ele.

© AFP 2022 / JIM WATSONPresidente norte-americano Donald Trump e a sua mulher Melania Trump partindo de Maryland em 3 de novembro para uma digressão de 11 dias pela Ásia
Presidente norte-americano Donald Trump e a sua mulher Melania Trump partindo de Maryland em 3 de novembro para uma digressão de 11 dias pela Ásia - Sputnik Brasil
Presidente norte-americano Donald Trump e a sua mulher Melania Trump partindo de Maryland em 3 de novembro para uma digressão de 11 dias pela Ásia

Os comentários do líder sul-coreano surgem em meio à visita do presidente norte-americano Donald Trump à Ásia, a maior viagem pela região de um presidente dos EUA nos últimos 25 anos, que incluirá o Japão, a Coreia do Sul, a China, o Vietnã e as Filipinas.

Antes, os EUA e o Japão haviam anunciado o reforço da sua cooperação na área de defesa, visando aumentar a sua capacidade de lidar com a ameaça norte-coreana.

Líder norte-coreano Kim Jong-un supervisiona o que seria uma versão miniaturizada de uma bomba de hidrogênio, ainda mais potente do que uma bomba atômica - Sputnik Brasil
Novos testes e ogivas nucleares: Coreia do Sul alerta para os próximos passos de Pyongyang
Contudo, o presidente sul-coreano advertiu Tóquio contra o uso "da Coreia do Norte e de suas armas nucleares como pretexto para a expansão militar", o que "será inapropriado também para os países da Associação de Nações do Sudeste Asiático".

Moon Jae-in também "jurou intensificar os esforços diplomáticos com a China para resolver pacificamente os problemas com a Coreia do Norte através do diálogo", ao mesmo tempo respeitando as relações com os EUA.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала