Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Presidente deposto da Catalunha chama prisão de ex-ministros de 'grave erro'

© REUTERS / Ivan AlvaradoCarles Puigdemont, líder catalão, durante um evento memorial junto ao túmulo do ex-presidente da Generalitat, Lluís Companys em Barcelona (foto de arquivo)
Carles Puigdemont, líder catalão, durante um evento memorial junto ao túmulo do ex-presidente da Generalitat, Lluís Companys em Barcelona (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga no
Em um discurso divulgado nesta quinta-feira pela TV pública TV3, Puigdemont convidou os catalães a protestar contra as autoridades espanholas "sem violência, pacificamente e com respeito pelas opiniões de todos".

Ele e diversos membros do gabinete permanecem em Bruxelas, onde, segundo Puigdemont, estão buscando "segurança e liberdade", enquanto os juízes os investigam devido à tentativa de independência catalã.

Através de discurso divulgado pela TV3, o presidente regional deposto da Catalunha, Carles Puigdemont classificou as sentenças de prisão de vários ex-membros do governo dele de "grave erro". O político convidou a população a protestar contra as autoridades espanholas "pacificamente e com respeito".

Bandeiras no Parlamento Europeu em Estrasburgo, França - Sputnik Brasil
Presidente do Parlamento Europeu elogia intervenção da Espanha na Catalunha
Um promotor espanhol pediu a uma juíza do Tribunal Nacional da Espanha que emitisse um mandado de prisão contra o próprio Puigdemont e vários ex-ministros. O líder catalão segue em Bruxelas, na Bélgica, no que classificou como busca de "segurança e liberdade". Ele no entanto já descartou a possibilidade de pedir asilo político aos belgas.

Enquanto isso, a porta-voz do partido catalão ERC, Marta Rovira, pediu que as pessoas saiam às ruas para "impedir que isso [a prisão] aconteça em pleno século 21".

"Não iremos desistir, não iremos falhar e iremos lutar até o fim", disse Rovira. "Temos todo o direito no mundo de viver em um país com mais justiça, dignidade e liberdade".

Marta Pascal, secretária-geral do partido PDeCAT, sigla de Puigdemont, criticou a decisão de deter "integrantes de um governo democraticamente eleito apenas porque queriam oferecer um futuro diferente aos seus cidadãos".

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала