Opinião: EUA estão formando 'centro de poder' alternativo em Raqqa

© REUTERS / Goran TomasevicSoldado curdo olhando para fumaça depois de ataques aéreos da coalizão em Raqqa (foto de arquivo)
Soldado curdo olhando para fumaça depois de ataques aéreos da coalizão em Raqqa (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Damasco afirmou que considera a cidade de Raqqa ocupada mesmo após as tropas do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), a terem abandonado. Em entrevista ao serviço russo da Sputnik, o especialista em assuntos do Oriente Médio Grigory Lukyanov falou sobre os planos dos EUA e seus aliados em relação a Raqqa.

Fumaça liberada após um ataque aéreo da coalizão internacional em Raqqa (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
EUA rechaçam acusações de terem 'apagado Raqqa da face da Terra'
A cidade de Raqqa vai continuar sendo considerada ocupada até passar a ser controlada pelas tropas sírias, comunica agência SANA, citando uma fonte do Ministério das Relações Exteriores da Síria.

A fonte qualificou o anúncio dos EUA e de sua coalizão sobre a libertação da cidade de Raqqa do Daesh como uma "mentira que visa distrair a atenção internacional dos crimes" que a coalizão cometeu na província de Raqqa.

O Ministério das Relações Exteriores sírio assinalou que, em resultado de um "bombardeio premeditado e bárbaro", mais de 90% de Raqqa foram completamente destruídos. Na cidade e seus arredores a infraestrutura foi destruída, dezenas de milhares de moradores locais foram forçados a fugir.

A fonte qualificou também os apelos dos EUA e seus aliados à reconstrução de Raqqa como tentativas de manipular de opinião pública. 

Anteriormente, o ministro das Informações sírio, Mohamed Ramez Tordjman, frisou que mesmo que a saída dos terroristas de Raqqa possa ser considerada como um fato positivo, é necessário que a cidade seja ocupada pelas tropas sírias.

Ruínas no território de escolas militares libertadas dos terroristas, Aleppo, Síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Coalizão liderada pelos EUA impede acabar com Daesh na Síria, diz especialista
Depois da libertação de Raqqa, a coalizão internacional encabeçada pelos EUA anunciou estar se preparando para uma ofensiva contra a cidade de Abu Camal, na província síria de Deir ez-Zor.

Grigory Lukyanov, especialista em assuntos do Oriente Médio e professor da Escola Superior de Economia, comentou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, os planos dos EUA e seus aliados em relação a Raqqa.

"Existe um conjunto de fatos que prova que a presença dos EUA e seus aliados em Raqqa visa criar um centro de poder alternativo a Damasco. Quer dizer, nessa cidade, sob a proteção das formações curdas e de um conjunto de pequenos grupos árabes apoiados pelos EUA, serão criados órgãos de poder, que poderão ser usados na qualidade de segundo 'centro de poder'. À volta dele irá ser formado um sistema político oposto a Damasco, onde gradualmente aparecerão instituições que os EUA poderão influenciar, seu estatuto será legalizado. Devido a isso, Damasco pode considerar que a vitória sobre o Daesh não é o prelúdio do fim da guerra civil mas, pelo contrário, o início de uma etapa até mais perigosa, já que os EUA serão um dos lados interessados", acredita Grigory Lukyanov. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала