Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Kissinger: bomba nuclear norte-coreana pode levar a uma escalada atômica na Ásia

© AFP 2021 / POOL / GERO BRELOERHenry Kissinger
Henry Kissinger - Sputnik Brasil
Nos siga no
O Leste da Ásia está se movendo em direção à proliferação nuclear, já que Seul e Tóquio procurarão ter seus próprios arsenais atômicos para lidar com a ameaça de Pyongyang, que não dá mostras de que um dia abandonará o seu programa.

Esta foi a advertência dada pelo ex-secretário de Estado dos Estados Unidos e ex-assessor de segurança nacional, Henry Kissinger, em uma entrevista recente ao jornal The New York Times.

Estrategista nuclear durante a Guerra Fria, Kissinger afirmou ter poucas dúvidas sobre para onde as coisas estão indo na região. O ex-diplomata dos EUA disse que se a Coreia do Norte "continuar a ter armas nucleares", estas "devem ser estendidas ao resto da Ásia".

O líder norte-coreano, Kim Jong-un (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Explodir ou não explodir: Kim pode destruir centro de testes nucleares norte-coreano

"Não será a Coreia do Norte ser o único país coreano do mundo que possui armas nucleares, sem que os sul-coreanos tentem se igualar", advertiu Kissinger.

O ex-secretário de Estado estadunidense nas administrações dos presidentes Richard Nixon e Gerald Ford acrescentou ao jornal que "não se pode esperar que o Japão permaneça calmo".

"Então estamos falando sobre a proliferação nuclear", ele resumiu.

Reação em cadeia?

As crescentes capacidades norte-coreanas forçam seus vizinhos a debater se eles precisam ter os seus próprios arsenais nucleares, observou o The New York Times. A publicação destacou que a Ásia é uma região onde "várias nações têm material, tecnologia, experiência e dinheiro para produzir armas nucleares".

Na Coreia do Sul, as pesquisas mostram que 60% da população é a favor da construção de armas nucleares, e quase 70% querem os EUA reintroduzam armas nucleares táticas para uso no campo de batalha, as mesmas que foram removidas há um quarto de século.

Líder norte-coreano Kim Jong-un visita uma fábrica de cosméticos em Pyongyang - Sputnik Brasil
Surpresa nuclear: líder da Coreia do Norte quer tornar as 'mulheres mais bonitas'

No Japão, a única nação que sofreu um ataque nuclear, atualmente há pouco apoio público para o desenvolvimento de armas nucleares. No entanto, muitos especialistas acreditam que esta situação poderia ser revertida rapidamente se Coreia do Norte e Coreia do Sul tivessem arsenais atômicos.

Além da Coreia do Sul e do Japão, "já se fala" na Austrália, na Birmânia, em Taiwan e no Vietnã como nações nas quais se faz sentido discutir o desenvolvimento de armas nucleares se outros vizinhos se armarem.

Tal situação suscita medos de que a Coreia do Norte possa desencadear uma reação em cadeia na qual uma nação após outra se sinta ameaçada e construa uma bomba atômica, concluiu The New York Times.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала