Deputado russo: Europa vive 'crise' e Itália deve evitar o que Espanha faz com a Catalunha

© REUTERS / Alessandro GarofaloItalianos foram às urnas no dia 22 de outubro de 2017 para votar por uma maior autonomia das regiões do Vêneto e da Lombardia, no norte do país
Italianos foram às urnas no dia 22 de outubro de 2017 para votar por uma maior autonomia das regiões do Vêneto e da Lombardia, no norte do país - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O referendo nas regiões italianas do Vêneto e da Lombardia é um novo capítulo do "desfile de soberania" que tem lugar na Europa, disse nesta segunda-feira o membro do Comitê de Relações Internacionais da Duma (Câmara Baixa russa), Sergei Zheleznyak.

"O desfile das soberanias europeias não é apenas um sinal para as autoridades nacionais de cada país, mas também um sinal dos cidadãos para as autoridades da União Europeia (UE), exigindo a defesa de seus direitos, uma vida em um mundo seguro e pacífico, ter a possibilidade de trabalhar de forma estável e com pleno respeito pelas suas tradições e interesses nacionais", afirmou o parlamentar.

De acordo com Zheleznyak, as pessoas na Europa estão cansadas de "decisões ineficazes dos burocratas da UE, uma organização que segue as táticas de avestruz e prefere não perceber que a crise se tornou mais aguda".

Mulher votando no referendo sobre a autonomia de Vêneto, 22 de outubro de 2017 - Sputnik Brasil
Opinião: referendos em Vêneto e Lombardia apontam anacronismo na Europa

"As contradições dentro de cada país devem ser resolvidas pelas autoridades de forma paciente e razoável, não reprimindo os cidadãos por expressarem sua vontade, como aconteceu na Catalunha", afirmou o político.

O deputado apontou que o caminho para resolver a crise em cada país é através do diálogo e enfatizou que, neste momento, a sabedoria das autoridades italianas depende do desenvolvimento da situação no país e em toda a Europa.

"A exigência dos habitantes das províncias italianas de estender sua autonomia não contradiz a Constituição, e a resposta oficial de Roma, bem como a reação da UE aos resultados dos referendos no Vêneto e na Lombardia, será uma nova ilustração de sua atitude perante a voz do povo", advertiu Zheleznyak.

O termo "desfile de soberania" apareceu pouco antes da dissolução da antiga União Soviética, quando, entre 1990 e 1991, muitas das repúblicas que compunham o país aprovaram as respectivas declarações de independência, desafiando as leis da URSS.

Marcha pela independência da Catalunha (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Catalunha afirma que não cumprirá as ordens de Madri, só obedecerá à sua própria população

No último domingo, as pessoas nas regiões italianas de Vêneto e Lombardia – duas das mais ricas do país – votaram em referendos não vinculativos a favor de iniciar negociações com Roma para obter mais autonomia.

De acordo com dados preliminares, 98,1% dos eleitores no referendo de Vêneto expressaram apoio para mais autonomia do governo central, enquanto na Lombardia mais de 95% dos eleitores disseram que sim e cerca de 3% votaram em contra.

As regiões italianas realizaram suas consultas três semanas após o referendo da região espanhola da Catalunha, que aconteceu apesar da proibição do Tribunal Constitucional espanhol, no qual 90% dos eleitores votaram pela independência da Espanha.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, anunciou no último sábado a aplicação do artigo 155 da Constituição, com o qual ele procederá para convocar eleições na Catalunha, cessar todo o executivo catalão e assumir os poderes do governo central.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала