China fornece armas e tecnologia à Coreia do Norte, diz especialista dos EUA

© REUTERS / KCNAMíssil balístico intercontinental Hwasong-12
Míssil balístico intercontinental Hwasong-12 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um especialista dos Estados Unidos acusou a China de estar ajudando a Coreia do Norte a construir o seu programa de mísseis balísticos, fornecendo importantes equipamentos militares e tecnologia.

Em uma entrevista nesta quarta-feira sobre o tema, Gordon Chang, um analista em segurança da Ásia Oriental, disse que o presidente chinês, Xi Jinping, estaria "alimentando" o governo de Pyongyang com transferências de armas, equipamentos e tecnologia "muito importantes".

"Eles estão armando o Norte", disse ele ao programa Fox Business, do canal Fox News, citando o programa norte-coreano de mísseis balísticos em particular.

Primeiro vídeo aéreo de Pyongyang em 360° - Sputnik Brasil
País mais fechado: primeiro vídeo aéreo de Pyongyang em 360°

Os mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs, na sigla em inglês) que a Coreia do Norte disparou nos dias 4 e 28 de julho foram transportados para seus locais de lançamento em lançadores móveis chineses, de acordo com Chang, autor do livro The Coming Collapse of China (O Colapso da China, em tradução livre).

"Esses lançadores móveis fazem da Coreia do Norte uma ameaça real porque seus mísseis agora podem ficar escondidos", explicou o especialista.

Outros mísseis norte-coreanos lançados em agosto do ano passado, e em fevereiro e maio deste ano, também pareciam ser variantes do mísseis lançado por um submarino JL-1 da China, de acordo com o especialista.

Líder norte-coreano Kim Jong-un supervisiona o que seria uma versão miniaturizada de uma bomba de hidrogênio, ainda mais potente do que uma bomba atômica - Sputnik Brasil
Seul: 'Não há nenhuma chance da Coreia do Norte desistir de suas armas nucleares'

"Isso é algo sobre o que a administração Trump precisa falar a respeito com os chineses", comentou Chang.

Trump irá visitar a China no próximo mês como parte de sua primeira viagem à Ásia desde que assumiu o cargo. Suas relações com Pequim, segundo Chang, estão subordinadas à sua política na Coreia do Norte.

"Ele será bom para a China se ele acreditar que a China está cooperando conosco e ele será duro com os chineses se ele acredita que não são", disse ele.

A viagem da Ásia de Trump também o levará para a Coreia do Sul em 7 de novembro. O presidente dos EUA ainda passará por Japão e Filipinas durante a sua viagem à região.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала