Hillary: Trump age de maneira 'perigosa e míope' em guerra de palavras com Coreia do Norte

© REUTERS / Jonathan ErnstDonald Trump e Hillary Clinton participam do primeiro debate presidencial na Universidade de Hofstra, em Hempstead, Nova York
Donald Trump e Hillary Clinton participam do primeiro debate presidencial na Universidade de Hofstra, em Hempstead, Nova York - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A ex-candidata presidencial dos EUA, Hillary Clinton, criticou nesta quarta-feira o presidente Donald Trump por se envolver em uma guerra de palavras com a Coreia do Norte, chamando-a de "uma mudança perigosa e míope" que só beneficiará o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e eventualmente minará a credibilidade dos EUA.

Hillary, que também atuou como secretária de Estado dos EUA no governo de Barack Obama, enfatizou a necessidade de mais pressão sobre Pyongyang e uma abordagem diplomática para levar o governo local para negociações, pedindo que a China desempenhe um papel mais pró-ativo na aplicação de sanções contra o aliado rebelde.

"Iniciar brigas com Kim Jong-un apenas coloca um sorriso no rosto dele. É como escolher brigas com a OTAN e a União Europeia (UE), que representa um sorriso no rosto do russo Vladimir Putin", disse Clinton no World Knowledge Forum, em Seul. "Não há necessidade de sermos belicosos e agressivos [sobre a Coreia do Norte]".

"Estou preocupada com algumas das ações recentes da nova administração que parecem aumentar as tensões. Nossos aliados agora expressam preocupações sobre a credibilidade e confiabilidade dos Estados Unidos", acrescentou ela, sem mencionar o Trump pelo nome.

A tensão na Península da Coreia aumentou nas últimas semanas após os testes nucleares e de mísseis do Norte, com Trump ameaçando "destruir totalmente" a Coreia do Norte se ameaçar os EUA. Kim Jong-un respondeu chamando Trump "mentalmente perturbado" e dizendo que o republicano pagaria caro por sua ameaça.

Lançamento do míssil Hwasong-12, 15 de setembro, 2017 - Sputnik Brasil
Ex-negociador nuclear dos EUA revela quando Coreia do Norte negociará com Trump

Tendo sido a principal diplomata dos EUA de 2009 a 2013 sob o presidente Barack Obama, Clinton disse que as "ameaças cavalheiristicas" de Trump não são apenas perigosas e míopes, mas também fazem com que Kim se sinta "ansioso" para atrair a atenção pessoal do comandante-chefe dos EUA.

A ex-secretária também expressou sua preocupação com a falta de experiência da administração Trump por lidar com a Coreia do Norte de maneira belicosa e imprevisível, dizendo que a nova administração está "drenando" o governo de conhecimentos diplomáticos.

Em relação ao papel da China, Clinton disse que Pequim seria melhor tentando "reforçar e impor rigorosamente as sanções" contra a Coreia do Norte, cujas relações com a China se esforçaram depois que Pequim participou das sanções dirigidas pela ONU sobre os últimos testes nucleares de Pyongyang e lançamentos de mísseis.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала