Turismo apocalíptico: conheça as 7 cidades fantasmas mais horripilantes

Nos siga noTelegram
A Sputnik te convida para visitar as sete localidades abandonadas mais temíveis do mundo!

Edifícios danificados e ruas abandonadas, os lugares onde a natureza venceu a luta contra o homem são um paraíso para os que gostam das vistas apocalípticas. Enquanto muitos sabem de Pompeia e Machu Picchu, os dois últimos séculos deixaram algumas áreas completamente abandonadas devido a guerras, catástrofes naturais e tecnológicas que podem ser interessantes para turistas.

© AP Photo / K.M. CannonA corrida do ouro do século XIX deixou não apenas vítimas entre as pessoas, mas também muitas cidades fantasmas. Uma delas é Bodie, no estado norte-americano da Califórnia. Em 1879, depois da descoberta de algumas pepitas de ouro, a cidade conseguiu juntar 10 mil habitantes, fazendo com que se tornasse uma das maiores cidades da Califórnia. Como boa cidade do faroeste, Bodie tinha uma reputação péssima. "Adeus, Deus, vou a Bodie", escreveu uma menina cujos pais a levariam a essa cidade remota. Entretanto, desde 1900 Bodie começou a se tornar desértica devido à queda brusca dos preços do ouro e ao grande incêndio de 1932. Desde 1932, a cidade é considerada oficialmente como parque histórico, onde turistas podem ver 170 edifícios bem conservados da época do ouro.
Bodie, EUA - Sputnik Brasil
1/7
A corrida do ouro do século XIX deixou não apenas vítimas entre as pessoas, mas também muitas cidades fantasmas. Uma delas é Bodie, no estado norte-americano da Califórnia. Em 1879, depois da descoberta de algumas pepitas de ouro, a cidade conseguiu juntar 10 mil habitantes, fazendo com que se tornasse uma das maiores cidades da Califórnia. Como boa cidade do faroeste, Bodie tinha uma reputação péssima. "Adeus, Deus, vou a Bodie", escreveu uma menina cujos pais a levariam a essa cidade remota. Entretanto, desde 1900 Bodie começou a se tornar desértica devido à queda brusca dos preços do ouro e ao grande incêndio de 1932. Desde 1932, a cidade é considerada oficialmente como parque histórico, onde turistas podem ver 170 edifícios bem conservados da época do ouro.
© AFP 2022 / Gianluigi GuerciaKolmanskop é uma cidade fantasma no deserto da Namíbia. Assim como em Bodie, minas eram o forte dessa cidade, mas, ao invés de ouro, o mineral buscado era diamante, que foi descoberto nessa cidade africana no século XX. Construída em 1908, a cidade foi completamente abandonada em 1954 devido às péssimas condições de vida enfrentadas pelos minérios: não havia água, o que tinha de sobra era tempestade de areia.
Kolmanskop, Namíbia - Sputnik Brasil
2/7
Kolmanskop é uma cidade fantasma no deserto da Namíbia. Assim como em Bodie, minas eram o forte dessa cidade, mas, ao invés de ouro, o mineral buscado era diamante, que foi descoberto nessa cidade africana no século XX. Construída em 1908, a cidade foi completamente abandonada em 1954 devido às péssimas condições de vida enfrentadas pelos minérios: não havia água, o que tinha de sobra era tempestade de areia.
© AP Photo / Eugene HoshikoA ilha Hashima, Japão, localizada no mar da China Oriental, não é apenas um lugar abandonado, ela faz parte do Patrimônio Cultural da UNESCO. A ilha recebeu seus primeiros habitantes em 1887 e serviu como colônia de extração de carvão. Durante muitos anos, Hashima foi um dos locais mais densamente povoados da Terra: na área residencial, a ilha tinha uma densidade populacional de mais de 139 mil pessoas por quilometro quadrado. O esgotamento das reservas do mineral fez com que todos decidissem ir embora de lá em algumas semanas no ano de 1974. Hoje em dia, são realizadas excursões à ilha para demonstrar a rápida industrialização japonesa.
A Ilha Hashima, Japão - Sputnik Brasil
3/7
A ilha Hashima, Japão, localizada no mar da China Oriental, não é apenas um lugar abandonado, ela faz parte do Patrimônio Cultural da UNESCO. A ilha recebeu seus primeiros habitantes em 1887 e serviu como colônia de extração de carvão. Durante muitos anos, Hashima foi um dos locais mais densamente povoados da Terra: na área residencial, a ilha tinha uma densidade populacional de mais de 139 mil pessoas por quilometro quadrado. O esgotamento das reservas do mineral fez com que todos decidissem ir embora de lá em algumas semanas no ano de 1974. Hoje em dia, são realizadas excursões à ilha para demonstrar a rápida industrialização japonesa.
© AFP 2022 / Thierry ZoccolanSem dúvidas, a Segunda Guerra Mundial deixou muitas zonas danificadas no mapa mundial. Um desses lugares não foi restaurado para homenagear as vítimas da tragédia. A vila francesa de Oradour-sur-Glane foi destruída por militares da Alemanha Nazista em um dos mais terríveis massacres de civis da história. Em 10 de junho de 1944, mais de 600 moradores, incluindo 500 mulheres e crianças, foram trancados dentro da igreja da vila, sendo queimados vivos posteriormente.
Oradour-sur-Glane, França - Sputnik Brasil
4/7
Sem dúvidas, a Segunda Guerra Mundial deixou muitas zonas danificadas no mapa mundial. Um desses lugares não foi restaurado para homenagear as vítimas da tragédia. A vila francesa de Oradour-sur-Glane foi destruída por militares da Alemanha Nazista em um dos mais terríveis massacres de civis da história. Em 10 de junho de 1944, mais de 600 moradores, incluindo 500 mulheres e crianças, foram trancados dentro da igreja da vila, sendo queimados vivos posteriormente.
© AFP 2022 / Liu JinAs catástrofes naturais podem em um minuto transformar qualquer cidade em um grande memorial. O grande terremoto no sul da China, que ocorreu em 2008, causou mais de 90 mil mortes e transformou a cidade em ruínas. A China gastou cerca de 800 bilhões de iuanes (R$ 390 bilhões) para reconstruir as zonas destruídas. Entretanto, a cidade de Beichuan se tornou um grande memorial e museu, pois quase metade de sua população (8,6 mil pessoas) morreu.
Beichuan, China - Sputnik Brasil
5/7
As catástrofes naturais podem em um minuto transformar qualquer cidade em um grande memorial. O grande terremoto no sul da China, que ocorreu em 2008, causou mais de 90 mil mortes e transformou a cidade em ruínas. A China gastou cerca de 800 bilhões de iuanes (R$ 390 bilhões) para reconstruir as zonas destruídas. Entretanto, a cidade de Beichuan se tornou um grande memorial e museu, pois quase metade de sua população (8,6 mil pessoas) morreu.
© AP Photo / Hiro KomaeCidades continuam sendo abandonadas; um exemplo marcante de abandono no século XXI é a cidade de Tomioka na prefeitura de Fukushima. Em 2011, a catástrofe nuclear, causada pelo tsunami e terremoto, resultou na explosão da usina atômica e fuga de material radioativo – o que levou a fuga da população da área contaminada.
Tomioka, Japão - Sputnik Brasil
6/7
Cidades continuam sendo abandonadas; um exemplo marcante de abandono no século XXI é a cidade de Tomioka na prefeitura de Fukushima. Em 2011, a catástrofe nuclear, causada pelo tsunami e terremoto, resultou na explosão da usina atômica e fuga de material radioativo – o que levou a fuga da população da área contaminada.
© Sputnik / Alexei Vovk / Abrir o banco de imagensProvavelmente, a cidade ucraniana de Pripyat é a cidade fantasma mais famosa do mundo. As pessoas abandonaram-na devido à explosão do reator da usina nuclear de Chernobyl em 1986. A cidade não foi danificada pela explosão, mas os níveis de radiação ainda são enormes – o ar da cidade é pesado. Os turistas podem visitar Pripyat apenas com guias e usando roupas de proteção.
Pripyat, Ucrânia - Sputnik Brasil
7/7
Provavelmente, a cidade ucraniana de Pripyat é a cidade fantasma mais famosa do mundo. As pessoas abandonaram-na devido à explosão do reator da usina nuclear de Chernobyl em 1986. A cidade não foi danificada pela explosão, mas os níveis de radiação ainda são enormes – o ar da cidade é pesado. Os turistas podem visitar Pripyat apenas com guias e usando roupas de proteção.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала