Eleição de Trump dá 'destaque' ao risco nuclear, dizem vencedores do Nobel da Paz

© AFP 2022 / Britta Pedersen / dpaAtivistas a favor da abolição das armas nucleares com máscaras de Donal Trump e Kim Jong-un em frente à embaixada da Coreia do Norte em Berlim, 13 de setembro de 2017
Ativistas a favor da abolição das armas nucleares com máscaras de Donal Trump e Kim Jong-un em frente à embaixada da Coreia do Norte em Berlim, 13 de setembro de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A presença de Donald Trump na Presidência dos Estados Unidos colocou em evidência os riscos das armas nucleares para o mundo, afirmou nesta sexta-feira o grupo Coalizão Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN), vencedores do prêmio Nobel da Paz.

"A eleição do presidente Donald Trump fez com que muitas pessoas se sintam muito desconfortáveis com o fato de ele sozinho autorizar o uso de armas nucleares", disse a chefe da ICAN, Beatrice Fihn, a repórteres em Genebra.

Ela disse que o líder dos EUA parece ter um histórico de "não ouvir a experiência" e insistiu que a supervisão de um arsenal nuclear maciço "apenas coloca um destaque" sobre os perigos de tais armas para o mundo todo.

A ICAN foi premiada com o prêmio Nobel da Paz por conta da sua busca pela desnuclearização do planeta.

"A ICAN tem sido a principal protagonista da sociedade civil no esforço para conseguir uma proibição de armas nucleares sob o direito internacional", disse um porta-voz do prêmio Nobel.

"O Comitê do Nobel enfatiza que o próximo passo para alcançar um mundo livre de armas nucleares deve envolver os Estados que possuem armas nucleares", acrescentou.

O Comitê do Nobel enfatizou ainda que os próximos passos para a conquista de um mundo livre de armas nucleares devem envolver os Estados com armas nucleares, “para eliminar gradualmente as 15 mil armas nucleares do mundo”.

Armas nucleares - Sputnik Brasil
Tratado da ONU sobre Proibição de Armas Nucleares sem potências nucleares: vai funcionar?

A ICAN foi oficialmente lançada em 2007 com o objetivo de promover os ideais delineadas no Tratado da ONU sobre a Proibição de Armas Nucleares. O tratado foi ratificado por 50 Estados em 20 de setembro de 2017.

Os EUA, o Reino Unido, a França, a China, Israel e a Rússia estavam entre os Estados de armas nucleares que não assinaram.

História

O famoso prêmio Nobel da Paz, concedido a indivíduos ou grupos para promover a paz e a "fraternidade entre as nações", foi anunciado nesta sexta-feira em Oslo, na Noruega. Ele foi concebido pelo fabricante sueco de armamentos Alfred Nobel e escolhe os seus premiados anualmente desde 1901.

Este ano, 318 candidatos e 103 organizações foram considerados pelo Comitê Nobel norueguês. A comissão é composta por cinco membros, designados pelo parlamento norueguês.

Os indicados para o Prêmio Nobel da Paz nunca são anunciados antes da cerimônia e há uma regra de sigilo de 50 anos, o que significa que as listas restritas só podem ser reveladas anos mais tarde.

Michel Temer durante uma cerimônia no Planalto em 1 de agosto de 2017 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
23 ganhadores do Prêmio Nobel pedem em carta a Temer o fim dos cortes na ciência

O fundo do prêmio transmitido aos vencedores neste ano será de pouco mais de US$ 1 milhão (9 coroas suecas).

Os vencedores do passado incluem o ícone dos direitos civis Martin Luther King Jr, o presidente sul-africano Nelson Mandela e a figura católica Madre Teresa de Calcutá.

Em 2014, Malala Yousafzai tornou-se a mais nova vencedora do prêmio por seu esforço em destacar direitos educacionais e a "supressão de crianças" no Paquistão. A jovem de 20 anos foi baleada por homens armados do Talibã em 2012, enquanto tentava pegar o ônibus para escola.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала