Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Livro sugere que EUA faziam experimentos com radiação em civis durante Guerra Fria

Nos siga no
A autora de um novo livro sugere que o programa de armas radiológicas era prioridade do governo estadunidense, que teria realizado experimentos com radiação em crianças, grávidas e em minorias étnicas.

Militar americano fecha um bunker contaminado de radiação em Fort Bliss no Texas - Sputnik Brasil
Cientista é exposto a radiação em laboratório do governo dos EUA
Três membros democratas do Congresso dos EUA — que representam estados onde eram realizados esses testes — William Lacy Clay de Missouri, Brad Sherman da Califórnia e Jim Cooper do Tennessee- asseguram estar indignados pelas revelações. Além disso, eles exigiram explicações de Washington logo depois da publicação de um novo livro sobre como o governo norte-americano teria realizado durante a Guerra Fria experimentos com radiação em civis, incluindo crianças, mulheres grávidas e minorias étnicas, informa a agência AP.

No livro, intitulado "Behind the Fog: How the U.S. Cold War Radiological Weapons Program Exposed Innocent Americans" ("Por trás da neblina: Como o programa de armas radiológicas afetou norte-americanos inocentes"), sua autora, Lisa Martino-Taylor, professora de sociologia da Universidade Comunitária de San Luis, sugere que o programa de armas radiológicas era prioridade para a Casa Branca na época.

Os mais vulneráveis

De acordo com o livro, os experimentos eram realizados em todos os Estados Unidos, bem como na Inglaterra e Canadá, onde, supostamente, pessoas desprevenidas foram sujeitas a substâncias potencialmente perigosas através de pulverização, ingestão e injeções.

Membro da defesa civil respira via máscara de oxigênio depois do ataque na cidade de Khan Shaykhun, na Síria, com alegado uso de armas químicas, 4 de abril de 2017 - Sputnik Brasil
Síria acusa EUA e Reino Unido de fornecerem substâncias tóxicas a terroristas
Segundo declarou Martino-Taylor, citada pela AP, os experimentos eram realizados "nos mais vulneráveis da sociedade na maioria dos casos". Ela acrescentou que "crianças, mulheres grávidas em Nashville, pessoas doentes nos hospitais, órfãos e grupos minoritários" foram sujeitos aos experimentos.

A autora afirma que as consequências à saúde provocadas pelo programa permanecem desconhecidas e que o rastreamento de causas específicas de doenças tais como câncer seria difícil.

"Armas mistas"

Ao analisar documentos previamente inéditos, incluindo registros do Exército, Martino-Taylor descobriu que um grupo pequeno de investigadores, apoiados por instituições acadêmicas, trabalhavam no desenvolvimento de armas radiológicas e, logo depois, "armas mistas" usando substâncias radioativas junto com armas químicas e biológicas.

O livro, que foi publicado em agosto, continua sua tese de 2012, segundo a qual o governo efetuava experimentos secretos com zinco e sulfureto de cádmio em uma zona pobre de San Luis nas décadas de 1950 e 1960.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала