Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

O grito da Eletrobras: 'Privatização é bom (para eles)'

© Mario Russo/SputnikNem chuva atrapalha manifestação no Rio contra privatização da Eletrobras
Nem chuva atrapalha manifestação no Rio contra privatização da Eletrobras - Sputnik Brasil
Nos siga no
Mais de 3 mil pessoas participam nesta terça-feira, no Centro do Rio, de manifestação contra a privatização do sistema Eletrobras. Organizada pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, e com o apoio de diversas entidades, o dia foi de manifestações também em todo o país.

No Rio, a manifestação ocorreu em frente à sede da Eletrobras, na Avenida Presidente Vargas, esquina da Avenida Rio Branco, de onde os manifestantes saíram em caminhada até a Cinelândia. Durante o percurso, sindicalistas explicavam à população que a venda do sistema vai acarretar grande prejuízo para os consumidores, que sofrerão grandes reajustes em suas contas de luz. Sindicalistas afirmam também que a privatização do sistema terá impacto social, na medida em que será comprometido o serviço, principalmente nas localidades mais remotas do interior do país. No final da tarde, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou da manifestação no Largo da Carioca.

O sistema Eletrobras é formado por 16 subsidiárias, incluindo usinas elétricas e empresas de transmissão. O processo desenhado pelo governo prevê a venda de todo o sistema, menos as usinas atômicas de Angra 1 e Angra 2 e a Hidrelétrica Binacional de Itaipu com o Paraguai. Mesmo do ponto de vista financeiro, os funcionários da Eletrobras garantem que a venda não se justifica. A empresa fechou 2016 com lucro líquido de R$ 3,4 bilhões e tem plano de investimento de R$ 35,8 bilhões até 2021.

Governadores do Nodeste temem impacto sobre a Chesf - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Governadores do Nordeste jogam balde de água fria na privatização da Eletrobras

A Sputnik Brasil ouviu com exclusividade Emanoel Mendes, diretor do Sindicato dos Eletricitários do Estado do Rio de Janeiro, que se mostra visivelmente contrário a venda do sistema, apesar do aceno, feito pela equipe econômica, de que o governo pode manter uma participação de até 30% nas empresas privatizadas.

"A sociedade só tem a perder. Privatizar a Eletrobras significa que a sociedade perderá duas vezes, porque terá reajustes abusivos na conta de energia. As usinas que vendem energia para as empresas revenderem cobram R$ 40 por megawatt/hora, enquanto as empresas privadas repassam para o consumidor a R$ 200", dispara o sindicalista, lembrando que todo o sistema Eletrobras tem hoje entre 21 mil e 22 mil trabalhadores em todo o território e que, dentro do processo de reestruturação que atravessa, está enxuta no momento.

Mendes diz que só as distribuidoras do Norte do país, como a Cepisa, Ceron, têm cerca de seis mil funcionários, e prestam um importante serviço social para a região, que não interessa ao capital privado.  Elas não dão lucro, por isso nenhum empresário quer comprar.

"O que o governo diz que vai reajustar a conta de luz daquelas distribuidoras em mais ou menos 64% para que ela seja atrativa ao capital privado. Se acontecer isso, aquelas regiões mais do interior do Norte, Nordeste certamente não terão energia elétrica em suas casas. O governo quer vender a Eletrobras por R$ 20 bilhões, quando o patrimônio do sistema como um todo vale R$ 400 bilhões", desabafa Mendes.

Aumento nas contas de luz - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Ministro de Minas e Energia: ‘Risco de racionamento de energia no Brasil é zero’

Seja como for, os números do sistema Eletrobras impressionam. A empresa participa com um terço da geração de energia no país, com uma produção de 46.856 MW em 2016. São 47 usinas, sendo 17 térmicas, 69 eólicas e uma solar, com uma geração de 94% de fontes limpas com baixa emissão de gases do efeito estufa.

Com uma visão oposta a dos opositores á venda do sistema, Jean Franco, diretor da Smart energia, uma das mais conceituadas consultorias do setor, diz que a Eletrobras vem enfrentando nos últimos anos uma série de grandes prejuízos causados pelo uso político do represamento das tarifas.

"A Eletrobras se tornou um caso urgente e importante para ser resolvido. O prejuízo entre os anos de 2013, 2014, 2015 acumulado — apesar do lucro do ano passado — chegou a R$ 30 bilhões. O uso da Eletrobras para fins políticos é notório e histórico. Esse prejuízo começou na verdade em 2012, com o desconto extraordinário resultado de uma ação do dia 11 de setembro de 2012 e que começou a valer com uma queda das tarifas em janeiro de 2013", lembra o consultor.

Para justificar a eficiência da iniciativa privada na área de energia, Franco cita o caso da Enge, uma das geradoras fruto de privatização de parte da Eletrosul, que tem apresentado faturamento de R$ 6, R$ 7 bilhões, com lucro de R$ 1,5 bilhão nos últimos anos. Segundo ele, a privatização da Eletrobras vai trazer a competitividade de que a empresa precisa. "A empresa faturou R$ 60 bilhões no ano passado e lucrou apenas R$ 3,5 bi, margem de 5%, quando uma margem saudável para uma empresa desse setor oscilaria facilmente entre 10% a 20%."

Quanto à alegação que a privatização da Eletrobras prejudicaria sobretudo os consumidores do interior do país, o diretor da Smart Energia afirma que cada empresa, privada ou estatal, de distribuição de energia no Brasil tem o dever de atender às solicitações de conexão de energia. Segundo o consultor, no caso de uma empresa privada ela tem o maior interesse em fazer um novo ramal. 

Falando sobre a participação de governos na gestão de sistemas de energia, Franco cita o caso de vários países como os europeus e os EUA, onde a gestão privada tem se mostrado muito eficiente na gestão de recursos. 

"É complexo deixar usinas de energia sob concessão pública à iniciativa privada? É, mas é uma concessão com regras, direitos e obrigações. O que é pior para a população? A empresa fornecer energia a um preço relativamente baixo, mas gerando prejuízo de R$ 30 bilhões ou a empesa ter um preço justo de energia que remunere seus ativos, se mantenha saudável e aumente sua capacidade de investimento?", questiona.

O diretor da Smart Energia cita grupos chineses — que têm investido pesado nos últimos anos em projetos de infraestrutura no país — como alguns dos maiores interessados em arrematar empresas da Eletrobras, seja em geração, seja em transmissão. Franco também aposta na participação de grupos nacionais até em consórcios com estrangeiros.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала