Parece que Espanha conseguiu provocar a separação da Catalunha

© Sputnik / Aleksey Vitvitskiy / Abrir o banco de imagensReferéndum de la independencia de Cataluña
Referéndum de la independencia de Cataluña - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Especialista explica como o governo central do país contribuiu com as suas ações para a separação da região.

Chefe do governo da Catalunha, Carles Puigdemont - Sputnik Brasil
Catalunha: governo regional indica que deverá declarar independência da Espanha
Durante o referendo pela independência da Catalunha, cerca de 90% de cidadãos que participaram na votação se expressaram a favor da soberania da região. Mais de 800 pessoas ficaram feridas devido às ações da polícia.

Antes de tudo, é preciso ressaltar que a evolução dos eventos comprovou a minha previsão: as autoridades da Espanha fizeram tudo para que a separação da Catalunha venha a acontecer.

É que a Catalunha, apesar dos custos de permanência como parte da Espanha, obtém também vantagens significativas. Além disso, os partidários da independência (não do referendo pela independência, mas da independência em si nunca representaram a maioria dos catalães.

Contudo, em vez de condenar o referendo, mas não impedir a sua realização e levar a cabo uma campanha adequada a favor da união, o governo central da Espanha por motivos inexplicáveis resolveu optar pela força e sufocar o separatismo em sua fase inicial. 

Em resultado, o que é bastante lógico, a ordem das autoridades espanholas de não participar do referendo foi cumprida por aqueles que apoiavam e apoiam o governo central do país e que gostariam de manter a integridade. Assim, os seus votos não foram tidos em conta, porque Madri ela própria proibiu seus partidários de votarem.

Primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy durante pronunciamento em Madri, na Espanha - Sputnik Brasil
'Não houve referendo de autodeterminação na Catalunha', diz Rajoy
Agora temos este resultado. Não sei como poderia ter sido, caso ninguém impedisse a realização do referendo. Mas (pelo menos, agora), as autoridades da Catalunha podem alegar uma maioria nominal de votantes e insistir que o resultado do referendo foi a favor da separação da região, enquanto Espanha não possui provas documentais do contrário.

Por este motivo, vai ficar muito difícil para o governo central do país provar sua posição, quaisquer que sejam as instituições.

Pois, ele mesmo agravou a sua posição. Vou repetir mais uma vez, um pouco com alegria maldosa, que aconteceu como eu previ. Agora, existem mais probabilidades de as organizações internacionais apoiarem a posição da Catalunha.

Tudo isso prova que o sistema de governo da Espanha está em um estado de profunda crise estrutural, quando as ações por parte do governo dão resultados opostos aos desejados. Caso as autoridades espanholas não mudem sua posição, vou arriscar dizer que a burocracia de Bruxelas poderá apoiar a Catalunha.

Situação em Barcelona, 1º de outubro - Sputnik Brasil
Catalunha recorrerá a tribunais internacionais por ações da polícia espanhola
Vou explicar por que penso assim: para Bruxelas, a existência de grandes países dentro da União Europeia não é muito benéfica. É, sim, benéfico para ela que os governos sejam pequenos, fracos do ponto de vista econômico e político, isto é, dependentes o máximo da burocracia de Bruxelas.

Se falarmos da evolução dos eventos na Espanha, em minha opinião, as autoridades fizeram tudo para impedir a votação, o que era possível fazer sem usar a força militar. As seções eleitorais foram desmanteladas à força, centenas de milhares de cédulas eleitorais foram confiscadas. Muitos participantes da votação foram gravemente espancados.

Mesmo assim, caso a Espanha queira manter a Catalunha dentro do reino, vai ter de usar forças do exército, o que por sua vez, não é muito desejável na União Europeia, mas é aceitável. Provavelmente, o governo do país não vai agir assim, talvez vá atuar como Bruxelas durante o referendo no Reino Unido. Isto é, iniciar-se-ão conversações longas, com muitos obstáculos. Em geral, tudo acontecerá como no provérbio: "Dentro de vinte anos algum de nós vai morrer: eu, o xá ou o burro" [ditado do Oriente Médio].

Por sua vez, as autoridades catalãs, de certeza tentarão acelerar ao máximo o processo de mudanças, pois percebem muito bem o quanto é instável a vitória, que aconteceu graças a um conjunto de erros por parte do governo central. Assim, é importante aproveitar os frutos dessa vitória e desses erros, enquanto o governo da Espanha é capaz de cometê-los.

Anatoly Wasserman para a Sputnik

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала