Coreia do Sul previne EUA de provocar guerra com vizinho do Norte

Nos siga noTelegram
O conselheiro do presidente sul-coreano para assuntos internacionais e segurança, Moon Chung-in, espera que Washington não decida provocar conflito militar com Pyongyang.

"Seria muito preocupante se bombardeiros estratégicos dos Estados Unidos cruzassem a Linha de Limite Norte (LNN, a fronteira marítima ocidental entre as duas Coreias) e regressassem sem consultar nosso governo", disse Moon, citado pelo jornal Korea JoonAng Daily.

Lançamento do míssil balístico de curto alcance sul-coreano Hyunmoo II durante as manobras conjuntas dos EUA e Coreia do Sul - Sputnik Brasil
Chefe sul-coreano alerta para 'novas provocações' e guerra 'acidental' com Coreia do Norte
Ao discursar em uma mesa redonda, o assessor expressou "a preocupação de que um confronto acidental ou deliberado entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos possa desencadear a maior crise, o que poderia levar a uma guerra nuclear mais do que convencional".

Uma guerra contra o Norte "não pode acontecer, mesmo que a aliança com os Estados Unidos seja rompida", disse Moon.

Em 23 de setembro, vários bombardeiros estratégicos B-1B Lancer, da base aérea dos EUA em Guam, acompanhados por aviões de combate F-15 de Okinawa, apareceram no espaço aéreo internacional perto da costa norte-coreana, de acordo com o Pentágono, "mais ao norte da Zona Desmilitarizada aonde nenhum caça ou bombardeiro norte-americano tinha voado no século XXI".

Não houve resposta militar da Coreia do Norte, embora norte-coreanos possuam um radar de alerta precoce capaz de detectar alvos a 600 quilômetros de distância. O fato levou a inteligência sul-coreana a pensar na possibilidade de os aviões terem passado despercebidos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала