Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

NI: Por que Coreia do Norte está destinada a colapsar?

© Sputnik / Ilia Pitalev / Abrir o banco de imagensUm complexo de defesa antiaérea do Exército Popular da Coreia é visto durante o desfile dos 105 anos de nascimento de Kim Jong-il 9 (foto de aqruvio)
Um complexo de defesa antiaérea do Exército Popular da Coreia é visto durante o desfile dos 105 anos de nascimento de Kim Jong-il 9 (foto de aqruvio) - Sputnik Brasil
Nos siga no
A prolongada sobrevivência do governo norte-coreano se baseia na sua capacidade de garantir o terror absoluto contra a sua população, a posse de armas nucleares e o acesso a recursos econômicos, afirma o autor do artigo no The National Interest.

Apesar de que a Coreia do Norte precisa de todas estas três coisas para sobreviver, as contradições entre aquilo que deve ser feito para segurar cada uma delas vão levar à queda inevitável do regime, acredita o colunista do The National Interest Jamie Metzl. 

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un - Sputnik Brasil
Opinião: 'Coreia do Norte não quer guerra, quer garantias de estabilidade do regime'
O terror contra o povo é o elemento central do sistema da Coreia do Norte. De acordo com os dados da ONU, mais de 120 mil pessoas caíram vítimas do regime norte-coreano. Sem a intimidação para controlar cada aspecto da vida dos cidadãos, o regime vai cair, afirma Jamie Metzl no seu artigo.

Após ter testemunhado a primeira Guerra do Golfo, onde Saddam Hussein se tornou mais vulnerável à invasão porque o Iraque não possuía armas nucleares, Pyongyang iniciou o desenvolvimento do próprio arsenal nuclear. 

O maior desenvolvimento do programa nuclear norte-coreano vai colocar o país em rota de divergência com a China, o seu principal benfeitor, afirma Metzl. A China garante a Pyongyang a comida para os soldados e os fornecimentos de energia. Pequim manteve o equilíbrio entre pressionar Pyongyang para que os norte-coreanos parem com o programa nuclear e fornecer ajuda ao país, porque a China não quer tropas norte-americanas perto das suas fronteiras em caso de colapso do regime. 

© REUTERS / KCNAKim Jong-un observa míssil balístico de longo alcance Hwasong-12.
Kim Jong-un observa míssil balístico de longo alcance Hwasong-12. - Sputnik Brasil
Kim Jong-un observa míssil balístico de longo alcance Hwasong-12.

Mas, devido ao fato de os testes contínuos de armas nucleares norte-coreanas justificarem o reforço militar dos EUA na região, bem como a aceleração da defesa antimíssil na Coreia do Sul e Japão, que  vão minar a dissuasão nuclear da China, a necessidade chinesa de controlar o programa nuclear da Coreia do Norte vai entrar em conflito com as intenções de Pyongyang. Em resultado, de acordo com o autor, a China vai ser forçada a reforçar a pressão econômica sobre Pyongyang, o que agravará as relações entre os dois países. 

Distrito central de Pequim - Sputnik Brasil
Pequim não permitirá que EUA derrubem regime atual da Coreia do Norte
Reconhecendo que a assistência da China se está reduzindo, Pyongyang começou a buscar outras opções de financiamento. De acordo com Jamie Metzl o seu "velho amigo", a Rússia, seria uma boa escolha, mas este país vive uma crise financeira. A Coreia do Sul, que já tinha fornecido apoio significativo para a Coreia do Norte, não vai fazer isso de novo, afirma. 

De fato, os líderes da Coreia do Norte recentemente iniciaram pequenas reformas económicas, permitindo aos gerentes determinarem o salário e aos agricultores manterem uma maior parte da sua colheita. Mas, de acordo com o autor, as reformas econômicas não podem funcionar no país sem uma reforma política. Maior acesso à informação e a livre circulação de pessoas e bens são essenciais para reformar a economia. Tais reformas vão minar a legitimidade do regime e forçá-lo a escolher entre a suspensão das reformas para manter o controle totalitário ou fazer mudanças políticas no país. 

Segundo Jamie Metzl, seja qual for o caminho que o governo da Coreia do Norte venha a seguir, este vai cair sob o peso das suas próprias contradições. De acordo com ele, este colapso do regime será uma vitória para todos. O povo norte-coreano vai deixar de sofrer, os povos do Sul e do Norte vão ser reunidos, o fantasma de um país nuclear no centro da Ásia vai ser removido, e a China vai obter um parceiro valioso na Coreia unificada, o acesso à economia de altas tecnologias da Coreia do Sul e aos recursos naturais da Coreia do Norte.  

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала