Trump: EUA estão preparados para tomar 'medidas adicionais' contra Venezuela

© AFP 2022 / Olivier DoulieryPresidente dos EUA, Donald Trump, brinca com um bastão de beisebol durante evento na Casa Branca
Presidente dos EUA, Donald Trump, brinca com um bastão de beisebol durante evento na Casa Branca - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em jantar em Nova York com líderes da América Latina, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a falar sobre a crise na Venezuela.

"Os Estados Unidos tomaram medidas importantes para responsabilizar o regime por suas ações", disse Trump. "Estamos preparados para adotar medidas adicionais se o governo da Venezuela persistir no caminho de impôr um governo autoritário sobre o povo venezuelano".

Participaram do encontro Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia, Juan Carlos Varela, presidente do Panamá, Gabriela Michetti, vice-presidente da Argentina, e o mandatário brasileiro, Michel Temer. 

Em agosto, Trump afirmou que não descartava a "opção militar" para lidar com Caracas. O posicionamento do presidente republicano foi repudiado pelo Mercosul e pelo presidente da Argentina, Mauricio Macri

Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
Maduro defende criação de coelhos para combater falta de alimentos na Venezuela
Temer foi ao Twitter para comentar o jantar:" A opinião de todos é a necessidade de uma resolução democrática na Venezuela. Houve uma coincidência na posição dos participantes. O Brasil já ajuda humanitariamente a população venezuelana, com o envio de medicamentos, por exemplo".

Para o professor relações internacionais e especialista em Venezuela Rafael Araújo, Brasília deveria ser mais ativa na mediação para resolver a crise com seu país vizinho.

"Está na hora de afastar as questões ideológicas e do Brasil entender que é a grande liderança da América do Sul e tem que ser o grande impulsionador de um grande acordo entre o governo e a oposição. Pois se não houver acordo a gente pode assistir a uma guerra civil na fronteira do Brasil e a uma intervenção norte-americana como na Síria", alertou Araújo.

Líderes políticos de todo o mundo estão nos Estados Unidos para a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала