Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Quem é agressor mundial, a Rússia ou os EUA?

© Sputnik / Alexey Filippov / Abrir o banco de imagensEUA contra Rússia
EUA contra Rússia - Sputnik Brasil
Nos siga no
O ator alemão Til Schweiger exorta à normalização das relações bilaterais entre a Alemanha e a Rússia e explica por que pode votar pelo Partido Liberal-Democrata (FDP), que apela ao levantamento das sanções contra a Rússia e ao reconhecimento da reintegração da Crimeia.

"Tenho amigos russos que sofrem devido ao conflito e às sanções. Acho injusto que a economia norte-americana beneficie quando introduzimos sanções contra as empresas russas", indicou Til Schweiger em uma entrevista ao jornal Rheinsche Post

German Foreign Minister Sigmar Gabriel (File) - Sputnik Brasil
Rússia e Alemanha precisam uma da outra, diz chanceler alemão
O ator sublinhou que concorda com a posição do presidente do FDP, Christian Lindner, que apelou a adiar a questão da Crimeia se a Alemanha quer melhorar as relações com a Rússia. 

"As boas relações com a Rússia são do nosso interesse, enquanto as sanções só servem aos interesses dos EUA. Aprecio o fato de alguém ter dito isso finalmente", acrescentou ele. 

Frank-Walter Steinmeier, ministro de Relações Exteriores da Alemanha - Sputnik Brasil
'Não permitamos mais a inimizade cega contra a Rússia', pede presidente da Alemanha
Ele sublinhou que a mentalidade russa é muito mais próxima da dos alemães do que a dos EUA. 

"Quantas guerras declarou a Rússia após a Segunda Guerra Mundial e quantas declararam os EUA? Quem tem mais bases militares? Quem é agressor ao nível mundial? Ninguém apelou à introdução de sanções quando os EUA invadiram o Iraque e assim desestabilizaram o Oriente Médio na sua integridade", sublinhou Schweiger ao Rheinsche Post.

A Crimeia se tornou território russo após o referendo realizado em 16 de março de 2014, quando mais de 96% da população da península votaram a favor da reunificação com a Rússia. 

Esta consulta popular foi organizada após o golpe de Estado de fevereiro de 2014 na Ucrânia, quando os nacionalistas e apoiadores da integração europeia chegaram ao poder em Kiev. 

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала