EUA vão começar a desenvolver nova geração de míssil balístico intercontinental

Nos siga noTelegram
A Força Aérea dos Estados Unidos firmou contratos com a Boeing e Northrop Grumman para substituir o míssil balístico intercontinental Minuteman III (ICBM) da Guerra Fria, anunciou o Pentágono na sexta-feira.

Pelo acordo, a Boeing receberá US $ 349 milhões, e a Northrop US $ 329 milhões ao longo de um período de três anos para continuar o desenvolvimento paralelo de projetos preliminares do ICBM de próxima geração. Em 2020, espera-se que a Força Aérea decida qual empresa irá construir a frota projetada de 400-mísseis.

Imagem do Hwasong-14, míssil que a Coreia do Norte afirma ser de longo alcance (intercontinental), em teste realizado em 4 de julho de 2017 - Sputnik Brasil
ICBM de Pyongyang: quais serão as consequências após mais um teste balístico?
Lockheed Martin, o maior empreiteiro do governo dos EUA em 2015, além de ser o desenvolvedor do assediado programa F-35 Joint Strike Fighter, competiu para o projeto, mas não chegou à rodada final.

Entrando em serviço em 1970, a variante do Minuteman III ICBM viu melhorias ao longo das décadas, mas uma atualização importante é considerada essencial para manter o que o Pentágono afirma é sua "tríade" nuclear de desdobramento terrestre, aéreo e marítimo bombas nucleares.

"As coisas simplesmente se desgastam, e torna-se mais caro mantê-las do que substituí-las", disse a secretária da Força Aérea, Heather Wilson, em um comunicado.

Imagem de um dos bombardeiros B-1B Lancer dos EUA - Sputnik Brasil
EUA desenvolvem novo míssil nuclear 'para pressionar a Rússia'
Os contratos ocorrem em um período de tensões entre Washington e Pyongyang. A República Democrática Popular da Coreia (RPDC) ameaçou repetidamente atacar áreas ao redor do território norte-americano de Guam com mísseis balísticos estratégicos de médio a longo alcance.

"Como um parceiro confiável e integrador técnico dos sistemas ICBM da Força Aérea há mais de 60 anos, estamos orgulhosos de continuar nosso trabalho para proteger e defender nossa nação através de suas capacidades de dissuasão estratégicas", disse Wes Bush, presidente da Northrop em um comunicado.

O Exército dos EUA está em processo de modernização dos sistemas antigos de armas nucleares, comprando novos bombardeiros furtivos, submarinos e mísseis.

A Associação de Controle de Armas, com sede em Washington estimou o custo da modernização de armas nucleares dos EUA no mínimo de US $ 1,5 trilhão ao longo de um período de três décadas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала