Das armas às urnas: FARC iniciam o primeiro congresso de seu partido político

© Foto / Fernando Vergara/ APMembro das FARC alimenta passarinha em zona de segurança
Membro das FARC alimenta passarinha em zona de segurança - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) deram início ao primeiro congresso de seu futuro partido político neste domingo (27), em Bogotá. O congresso terá 6 dias de duração e marca mais um passo no abandono da guerra civil que o grupo lutou por mais de 50 anos.

"A partir deste evento, nos transformaremos em um novo grupo exclusivamente político que realizará sua atividade por meios legais", disse o líder das FARC, Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko, aos participantes do congresso.

"Temos diante de nós muitos desafios e muitas dificuldades", disse Londono. "Nada é fácil na política". Melhorias nas condições das zonas rurais serão uma prioridade, disse o novo líder político.

Raul Castro (centro) sela acordo de paz entre o presidente Juan Manoel Santos (à esquerda) e o líder das FARCs, Timoleon Jimenez - Sputnik Brasil
FARC mantêm guerrilha, agora na política
No local do congresso, há uma pintura com as imagens de Fidel Castro, Ernesto "Che" Guevara e do falecido presidente venezuelano Hugo Chávez e Jesus Cristo. Até o momento, o nome da futura agremiação será Força Alternativa Revolucionária da Colômbia.

A expectativa é de que seja definida a plataforma política do grupo para as eleições presidenciais e legislativas previstas para 2018.

"Eu acho que as FARC tentarão uma consolidação regional, usando a presença e a influência que têm em certas províncias", disse Catalina Jimenez, professora de ciência política da Universidade Externado. "A nível nacional, eles precisam de uma grande quantidade de votos que ainda não têm."

Guerrilha das FARC em frente a um cartaz criticando o Plano Colômbia - Sputnik Brasil
Colômbia irá financiar criação do futuro partido das FARC
As FARC abandonaram a via armada em 2016, após um acordo costurado pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos. O acordo previu a entrega das armas da guerrilha, o estabelecimento de uma justiça de transição e cotas de participação legislativa. 

A ex-guerrilha entregou 8 mil armas à missão da Organização das Nações Unidas (ONU) que acompanhou o processo. Entretanto, a transição não ocorreu sem atritos. O governo questiona a lista de ativos de US$ de 324 milhões entregue pelas FARC e afirmou que irá formar uma comissão para apurar se o grupo foi transparente sobre os bens que acumulou na ilegalidade.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала