Novo porta-aviões britânico: 'Ele ainda não vai estar pronto por muito tempo'

© AFP 2022 / Robert PerryO maior navio da Marinha da Grã-Bretanha, o porta-aviões Queen Elizabeth, no estaleiro, Escócia, em 24 de maio de 2016
O maior navio da Marinha da Grã-Bretanha, o porta-aviões Queen Elizabeth, no estaleiro, Escócia, em 24 de maio de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O novo porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth entrou na baía de Portsmouth, que se tornará seu posto de estacionamento. O perito militar Oleg Ponomarenko, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, frisou que a nova série de porta-aviões britânicos tem tanto vantagens como desvantagens.

Segundo a mídia, o novo porta-aviões britânico Queen Elizabeth entrou na baía de Portsmouth, que se tornará seu posto de estacionamento. Espera-se que o porta-aviões seja colocado em operação até ao fim do ano corrente e a sua utilização completa comece em 2023.

O Queen Elizabeth tem um deslocamento de 65 mil toneladas e um comprimento de 280 metros, sendo o primeiro da série de porta-aviões britânicos de sua classe. Como foi anunciado anteriormente, logo em seguida será construído mais um porta-aviões, o HMS Prince of Wales, que atualmente está sendo construído nos estaleiros de Fife.

O maior navio da Marinha do Reino Unido, o porta-aviões Queen Elizabeth - Sputnik Brasil
Reino Unido enviará novo porta-aviões para o mar do Sul da China
Em junho do ano corrente, o ministro da Defesa britânico, Michael Fallon, supôs que a Rússia estaria com inveja do novo porta-aviões da Marinha do Reino Unido. Porém, na sua resposta o representante oficial do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov, notou que o novo porta-aviões britânico é apenas um "alvo marítimo cômodo", ao contrário do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov.

O especialista do Centro de Conjuntura Estratégica Oleg Ponomarenko, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, afirmou que os novos porta-aviões britânicos ainda estão longe de estarem prontos.

"O grupo aéreo do Queen Elizabeth, ainda mais o do Prince of Wales, ainda não estão prontos. Os pilotos de 11 aeronaves agora estão treinando nos EUA, até ao fim de ano serão 14. Este porta-aviões poderá ser usado apenas por [aviões] F-35B com decolagem curta e pouso vertical. Eles podem também utilizar o Harrier antigo, mas assim ele seria ainda menos eficaz. É preciso continuar completando este porta-aviões ainda durante muito tempo. Claro que ele não vai ficar parado em Portsmouth, num futuro próximo ele vai continuar os testes. Mas a prontidão operacional será alcançada apenas daqui a uns anos", afirmou Oleg Ponomarenko.

No que se refere à comparação do novo porta-aviões britânico com o Admiral Kuznetsov, segundo o especialista, ela é inadequada. Mas mesmo assim, se compararmos os dois porta-aviões, se revelará que o porta-aviões russo tem uma vantagem importante.

"É inadequado fazer tais comparações, levando em conta as concepções diferentes de aplicação militar. O Queen Elizabeth é um porta-aviões 'puro'. Os britânicos sofreram problemas com os navios de proteção [de porta-aviões] durante a guerra contra a Argentina [Guerra das Malvinas de 1982]. Uma grande vantagem do Admiral Kuznetsov é que esse porta-aviões está equipado com uma grande quantidade de meios de autodefesa e uma certa quantidade de meio de ataque, mesmo que sejam poucos. Isso é muito importante", disse Oleg Ponomarenko.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала