O tropeço de Idlib: com quem terá que combater Damasco após vencer Daesh?

© AFP 2022 / OMAR HAJ KADOURCombatente rebelde dispara artilharia nos arredores da província de Idlib, na Síria
Combatente rebelde dispara artilharia nos arredores da província de Idlib, na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O exército sírio continua seu avanço até Deir ez-Zor, um dos últimos bastiões dos jihadistas. No entanto, após derrotar o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), as autoridades sírias terão que lidar com mais dois problemas – os curdos e a oposição, opina Gevorg Mirzayan, especialista político da Universidade de Finanças da Rússia.

Segundo o analista, é difícil prever o que acontecerá com os curdos, já que muitos jogadores estão envolvidos nesta questão. Entretanto, o problema da oposição síria parece ser mais fácil para resolver.

Soldados da artilharia do exército sírio na província de Idlib, no noroeste da Síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Será que Idlib se tornará um novo ponto quente da Síria?
Originalmente, Damasco esperava resolver a situação com a oposição através de negociações diplomáticas, envolvendo-a na vida pública e política da Síria como um "perdedor honorável", recorda o especialista político.

Foi este tema que negociaram em Astana, quando estabeleceram quatro zonas de desescalada, o sudeste da Síria, Guta Oriental, o norte de Homs e idlib, para por fim aos confrontos armados entre as forças governamentais e as da oposição. As três primeiras zonas já estão em funcionamento, enquanto surgiram certos contratempos com a quarta.

A estratégia em Idlib

Idlib, a maior e mais complicada destas zonas, converteu-se em um cenário de verdadeira guerra civil, afirma o analista.

Inicialmente, estava previsto que o grupo Ahrar al-Sham, controlado parcialmente pela Turquia, aplicasse o acordo atingido em Astana, mas a organização foi derrotada pela Frente al-Nusra, também conhecida como Frente Fatah al-Sham (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países), que reforçou suas posições na cidade e outras localidades da província, assim como em vários postos fronteiriços com a Turquia.

An Afghan soldier points his gun at Daesh militants group banner as he patrols during ongoing clashes in Kot District in eastern Nangarhar province - Sputnik Brasil
O fim do Daesh está próximo como sugere a mídia ocidental?
Com sua vitória, a Frente al-Nusra vai absorvendo pouco a pouco outros grupos da província. Na realidade, a organização cresceu tanto que começou uma ofensiva contra as forças governamentais em Hama. Mas, mesmo que pareça estranho, isso poderia beneficiar as autoridades sírias, destaca o autor do artigo.

Segundo explica Gevorg Mirzayan, Damasco não quer manter um diálogo político com os terroristas, mas sim solucionar o problema de Idlib da mesma maneira que o fez em Aleppo, isto é, através de operação militar.

"Para justificar tal operação, Damasco precisa que Idlib seja dominado pela Frente al-Nusra", disse, acrescentando que deste modo seria mais fácil convencer Moscou a realizar uma operação militar.

Interesse dos turcos

Entretanto, os turcos também não estão contentes com a situação em Idlib, porque a reputação do país otomano está ameaçada.

"Os turcos são responsáveis por este território, tanto pelo cessar-fogo como pela luta contra terrorismo. Mas quando a Frente al-Nusra tomou Idlib, surgiu a pergunta se os turcos podem cumprir seus compromissos. Eles não querem que que suas tarefas sejam cumpridas pelos iranianos ou russos, por isso precisam por a situação em Idlib em ordem com suas próprias forças", explica Leonid Isaev, especialista em assuntos árabes da Escola Superior de Economia (Rússia).

Soldados dos EUA usando símbolos bordados das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas no norte da Síria - Sputnik Brasil
EUA estariam pondo em prática criação de Estado curdo no norte da Síria?
Segundo Mirzayan, uma das opções para alcançá-lo é organizar uma invasão de Idlib por parte das forças da oposição síria, que se encontram agora no norte do país, em outras palavras, zona controlada pela Turquia.

"É possível ligar a zona [da operação] Escudo do Eufrates com a de Idlib através do território controlado atualmente pelos curdos", afirma Anton Mardasov, especialista do Conselho russo para Relações Internacionais.

No entanto, a situação se tornaria mais complicada porque será necessário atacar os curdos, aliados dos EUA.

"O problema é que uma ofensiva contra os povos árabes formalmente controlados pelos curdos será percebida como uma operação contra todo o cantão [curdo]. Neste caso, os curdos, aliados dos norte-americanos, poderiam suspender as operações em Raqqa e Deir ez-Zor, prejudicando os planos dos EUA", concluiu Mardasov.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала