NASA fará 'ressuscitar' lendário avião supersônico Concorde com caraterísticas novas

© AFP 2022 / Don EMMERTAvião Concorde das linhas aéreas Air France aterrissa no aeroporto de Nova York, em 7 de novembro de 2001 (foto de arquivo)
Avião Concorde das linhas aéreas Air France aterrissa no aeroporto de Nova York, em 7 de novembro de 2001 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O novo avião supersônico gerará o mesmo ruído que um carro circulando por uma rodovia.

As viagens supersônicas estão preparando sua reaparição. A NASA está desenvolvendo o novo avião supersônico Concorde 2, mas com uma grande vantagem em relação ao seu lendário antecessor: será muito mais silencioso, informa a edição Daily Post.

Assim, se prevê pôr fim ao ruído retumbante quando ele transpunha a barreira do som, denominado como "sonic boom", quebrando janelas e assustando os animais, entre os outros problemas.

Um modelo do novo avião russo de passageiros de alta velocidade movido a hidrogênio - Sputnik Brasil
Rússia apresenta modelo de avião de passageiros supersônico e ecológico no show aéreo MAKS
A nova aeronave conseguirá reduzir o ruído até aos 65 decibéis (o mesmo som que produz um carro na estrada), sendo que seu antecessor gerava 90 decibéis. Além disso, ele será capaz de voar a uma altitude de 55 mil pés (quase 17 mil metros), enquanto um avião comercial normal voa à altitude de 30 mil pés (9 mil metros).

Entretanto, o Concorde 2 seguirá contando com as velocidades supersônicas do seu antecessor, sendo capaz de reduzir para metade a duração dos voos comerciais — por exemplo, o tempo de voo entre Nova York e Londres será de 3 horas.

A agência espacial começará a aceitar em breve as ofertas de diversas empresas de engenharia para sua construção após a administração de Trump ter incluído o projeto nos seus planos de orçamento para o ano de 2018. Está previsto que a aeronave realize seu primeiro teste no ano de 2022.

Após 27 anos de serviço, o Concorde fez seu último voo comercial em 2003. Seus proprietários, British Airways e Air France, decidiram retirá-lo devido aos elevados custos de manutenção e à baixa demanda na sequência do acidente com um dos aviões em 2000.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала