Famílias de terroristas e refugiados sírios convivem lado a lado em Mossul

© Sputnik / Hikmet DurgunPessoas fogem de Mossul por uma rodovia protegida pelas Forças Armadas do Iraque
Pessoas fogem de Mossul por uma rodovia protegida pelas Forças Armadas do Iraque - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As vítimas do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) tornaram-se vizinhos de familiares de terroristas ou até dos próprios militantes na campos de refugiados perto da cidade iraquiana de Mossul. Enquanto isso, as autoridades buscam prevenir os conflitos.

Fumaça e fogo captados após a explosão de um carro-bomba na cidade de Mossul, Iraque, durante os combates entre forças iraquianas e terroristas do Daesh (grupo proibido na Rússia), 5 de março - Sputnik Brasil
Iraque: derrota do Daesh em Mossul não é êxito dos EUA
Um correspondente da Sputnik conversou com o oficial de um desses campos, Al Madraj, e com moradores que contaram como eles conseguem coexistir nestas condições de segurança.

O acampamento de Al Madraj, localizado ao sul de Mossul, perto do povoado de Qayara, é o maior da vizinhança, com cerca de 8 mil famílias ou cerca de 46 mil pessoas. A rede de outros seis campos, conhecida como Jadaa, abriga entre 4.000 e 7.000 pessoas cada. Todos estão no máximo de sua capacidade: mais de um milhão de pessoas fugiram de Mossul e seus subúrbios desde que começou a batalha pelo controle da cidade.

Vítimas e algozes

De acordo com um oficial de segurança de Al Madraj, Rayeed Azari, o acampamento hospedava muitas mulheres presas pelo Daesh que conseguiram fugir.

A polícia federal iraquiana comemora em Mossul ocidental. - Sputnik Brasil
ONU: libertação de Mossul é um marco na luta contra Daesh
"Elas dizem que os militantes de Daesh sequestraram e depois as venderam. Essas mulheres muitas vezes têm filhos com eles. Ao mesmo tempo, encontramos muitas crianças deixadas por suas famílias perto do campo. Nós as levamos e agora as criamos", disse o oficial.  

O acampamento também hospeda familiares de terroristas. O agente de segurança não disse quantos havia, mas enfatizou que a liderança do campo tinha "todos os nomes e estatísticas completas". Azari admitiu que os próprios terroristas do Daesh podiam viver entre a multidão sob falsos nomes, mas as autoridades do campo eram capazes de monitorá-los.

"Temos nomes, endereços de cada um deles, e temos registros completos desses elementos", disse Azari.

O oficial observou que os conflitos ocorreram com frequência e os problemas geralmente foram resolvidos ao mover as famílias de terroristas para longe de outros refugiados.

"Nós lhes damos a oportunidade para [deixar], mas somente depois de um controle de segurança. Um cidadão pode se locomover, sair e voltar, mas de acordo com essas permissões e enquanto entendermos que lhes fornecemos tudo o que é necessário ", disse o oficial de segurança.

Famílias desconhecem associação de parentes com terroristas 

O correspondente da Sputnik também conversou com familiares de militantes que habitam os campos de refugiados e recolheu depoimentos sobre a relação que esposas e mães de terroristas têm com a associação terrorista dos parentes. 

Ataque aéreo contra terroristas em Mossul, Iraque - Sputnik Brasil
Horror da guerra: durante a conquista de Mossul morreram 40 mil civis
Foi relatado que muitos dos membros da família dos terroristas disseram que não sabiam que seus maridos, irmãos e filhos eram terroristas. Se eles admitiam saber sobre isso, eles acrescentaram que eles estavam fora de contato com seus parentes por alguns meses e não sabiam onde estavam. Outros disseram que os membros da família que estavam afiliados ao Daesh morreram.

Uma ex-residente de Mossul confessou que não tinha ideia de que ela se tornaria a esposa de um terrorista depois de se casar em 2012.

"Nada traiu o membro da Daesh nele. Em 2014, ele jurou fidelidade [ao Daesh] e eu soube que ele se juntou ao grupo", disse uma mulher, acrescentando que seu marido foi morto em um ataque aéreo.

Outra mulher com um bebê e duas filhas mais velhas disse que seu marido deixou a família há cerca de três meses e que não havia notícias dele desde então.

"Meu marido não era um militante da Daesh, nós recebemos um subsídio para as crianças, é assim que [os militantes] o fazem. Eles deram 45 mil dinares [cerca de 38 dólares] por cada criança. Meu marido tinha quatro esposas, todos moramos em uma casa", disse a mulher.

Na semana passada, o primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, declarou oficialmente a vitória sobre o Daesh em Mossul, cidade que estava nas mãos da organização terrorista há mais de três anos. Mais posteriormente, o general norte-americano, Stephen Townsend, responsável pela operação contra o Daesh, disse que a limpeza de Mossul levaria mais umas semanas.


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала