Criticado publicamente por Trump, procurador-geral diz que segue no cargo

© REUTERS / Mike SegarO atual procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, ao lado de Donald Trump, na Trump Tower, em Nova York, em 7 de outubro de 2016
O atual procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, ao lado de Donald Trump, na Trump Tower, em Nova York, em 7 de outubro de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, afirmou nesta quinta-feira (20) que não pretende abandonar o posto após ser publicamente criticado pelo presidente Donald Trump.

Em entrevista ao The New York Times, Trump afirmou que não teria nomeado Sessions para o cargo se soubesse que ele pediria para ser afastado da investigação sobre a suposta tentativa de ingerência da Rússia nas eleições de 2016.

"Como você pega um emprego e depois se recusa (a trabalhar)?", indagou Trump na entrevista.

As críticas do presidente ofuscaram uma coletiva de imprensa de Sessions para falar sobre a derrubada de um comércio ilegal de drogas na internet. Os repórteres presentes ignoraram o assunto e perguntaram ao procurador-geral sobre sua disposição para manter-se no cargo e sobre seu relacionamento com Trump.

"Eu tenho a honra de servir como procurador-geral. É algo que vai além de qualquer pensamento que eu já tive de mim mesmo", disse Sessions. "Nós amamos esse trabalho, nós amamos este departamento e eu planejo continuar a fazê-lo enquanto for apropriado".

Presidente russo, Vladimir Putin, e presidente norte-americano, Donald Trump, durante a cúpula do G20 em Hamburgo - Sputnik Brasil
Kremlin desmente 'reunião secreta' entre Putin e Trump no G20
Perguntado sobre como poderia efetivamente trabalhar sem a confiança de Trump, respondeu: "Estamos servindo agora. O trabalho que estamos fazendo hoje é o tipo de trabalho que pretendemos continuar".

A porta-voz da Casa Branca Sarah Huckabee Sanders também foi indagada sobre a relação entre o procurador-geral e Trump e afirmou que Sessions é da confiança de Trump "ou ele não seria o procurador geral".

Durante a campanha presidencial, Sessions foi o primeiro senador a apoiar publicamente Trump — à época, ele era senador pelo estado de Alabama.

Entretanto, a agência Associated Press conversou com membros do Departamento de Justiça — responsável pela procuradoria-geral — e assessores de Trump e há relatos de um desgaste na relação.

A agência afirmou que Sessions chegou até mesmo a dizer a Trump que estaria disposto a deixar o cargo, mas o presidente não teria aceitado a oferta.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала