Sem Mossul, Daesh deve intensificar tráfico de petróleo, ópio e seres humanos

© AFP 2022 / NOORULLAH SHIRZADASoldado afegão aponta arma em construção com bandeira do Daesh
Soldado afegão aponta arma em construção com bandeira do Daesh - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Daesh tentará expandir seu tráfico de petróleo, ópio e seres humanos após a libertação de Mossul, avaliou a ex-tenente-coronel da Força Aérea dos EUA, Karen Kwiatkowski, em entrevista à Sputnik International.

Esta foto mostra militares durante o desfile militar comemorando os 105 anos de nascimento de Kim Il-sung - Sputnik Brasil
Coreia do Norte x Daesh: de quem os norte-americanos têm mais medo?
O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, anunciou na segunda-feira (12) que as forças de segurança locais finalmente liberaram o oeste de Mossul após meses de luta, embora explosões e combates ainda tenham sido relatados no dia seguinte.

"Agora que o Estado Islâmico [Daesh] está em alguma desordem… ele procurará seu modelo de negócios principal, que é lidar com petróleo roubado, ópio e tráfico de seres humanos", disse Kwiatkowski.

A ex-tenente-coronel avaliou que a organização terrorista fatura anualmente cerca de US$ 500 milhões com o comércio de petróleo e US$ 1 bilhão com as vendas de ópio. Ela também afirmou que a retomada de Mossul não significa um automático enfraquecimento do Daesh. Pelo contrário, sem mais precisar administrar a cidade, o grupo terrorista pode focar-se em suas atividades mais rentáveis e, portanto, sair fortalecido da situação.

"Este propósito — particularmente os elementos criminosos de contrabando e dos ataques terroristas — pode ser reforçado pela perda do território que era Mossul", disse ela. "Como participantes oficiais e não oficiais na venda e distribuição de armas na região, essa experiência também pode se revelar rentável em lugares onde a luta continua, possivelmente no Iêmen, Síria e além".

Tanques do exército iraquiano atacam terroristas em Mossul - Sputnik Brasil
General americano: ainda há focos de resistência do Daesh em Mossul
O Daesh, avalia Kwiatkowski, precisa perder suas principais fontes de receita e poder econômico. Uma queda na safra de papoula, regras mais rígidas para o comércio de petróleo e transparência política na região são ações que poderiam impactar o caixa do grupo terrorista.

Origens

O próprio Daesh é fruto da estratégia dos EUA de enfraquecer e derrubar governo após governo no Oriente Médio, deixando um rastro de "medo, anarquia e corrupção", continuou Kwiatkowski.

A organização terrorista, assim como a Al-Qaeda anteriormente, "foi extremamente útil para os EUA e Israel na busca e justificação de seus objetivos, e serve interesses da Casa de Saud [Arábia Saudita] e outros sátrapas dos EUA, criando ansiedade e deslocamento para muitos xiitas e sunitas moderados".

A tenente-coronel da Força Aérea dos EUA disse que o Daesh deve ser compreendido "no contexto das grandes potências e seus interesses" e que o wahabismo saudita é a inspiração da organização. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала