Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Tentáculos do Kremlin se aproximam das gargantas das principais capitais da Europa'

© Sputnik / Nikolai Lazarenko / Abrir o banco de imagensPyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia
Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, pediu aos países ocidentais para unirem esforços e pararem a suposta "agressão russa", em uma carta aos líderes do G7, publicada pela edição americana Politico.

Celebrações na Crimeia - Sputnik Brasil
Rússia só volta ao G7 se devolver Crimeia aos ucranianos, diz Tillerson
"A Rússia não vai parar sua campanha agressiva se nós não a obrigarmos a fazê-lo. O mundo ocidental deve se comprometer a unir esforços para proteger seus valores e o respeito pelo direito internacional", escreveu o presidente ucraniano.

Poroshenko também acusou a Rússia de levar a cabo uma guerra híbrida.

"Os tentáculos do Kremlin se aproximam das gargantas das principais capitais da Europa e seus aliados transatlânticos", advertiu o líder da Ucrânia.

Além disso, Poroshenko qualificou as redes sociais russas Vkontakte e Odnoklassniki como agentes do Kremlin, que, supostamente, ajudam a Rússia a fazer uma guerra midiática contra o Ocidente.

Poroshenko também instou os líderes ocidentais "a responderem de forma proporcional ao impacto da Rússia" e a apoiarem Kiev.

"Investir na segurança da Ucrânia é investir na segurança da Europa", concluiu Poroshenko.

Equipamentos militares (tanque T-80) das Forças Armadas ucranianas no aeródromo militar en Chuguevo - Sputnik Brasil
Opinião: Em vez de enviar 'pombos da paz' para Donbass, Ucrânia envia 'falcões de guerra'
Anteriormente, vários especialistas políticos relataram que Kiev insiste em demonizar a Rússia e de fazer provocações militares em Donbass para distrair a população ucraniana dos problemas internos e manter o interesse internacional focado na situação na Ucrânia.

A Rússia, por sua vez, nega as constantes acusações de Kiev de se intrometer nos assuntos da Ucrânia e as classifica como inaceitáveis. Além disso, o Kremlin disse em mais de uma ocasião que não é parte do conflito interno ucraniano e que está interessado em que o país supere a sua crise política e econômica.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала