Por que os EUA deixaram de ser superpotência militar?

Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos já não são a "superpotência" que eram depois do fim da Guerra Fria, escreve o colunista Dave Majumdar no seu recente artigo para a mídia americana The National Interest, citando o diretor da Agência de Inteligência da Defesa dos EUA, Vincent Stewart.

Enquanto anteriormente Washington dominava o mundo completamente, agora o país enfrenta numerosos adversários. De acordo com o autor da nota, na atualidade existem dois países que são aptos para desafiar os EUA: a Rússia e a China.

Base militar americana com armas nucleares (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
EUA querem aumentar despesas com segurança nuclear
Moscou deverá seguir modernizando suas Forças Armadas ao longo de 2017, assinalou o autor na revista The National Interest. A Rússia investe muito dinheiro na modernização das suas capacidades de defesa, particularmente em sua interoperabilidade, sistemas de controle e comando avançados e sua indústria militar.

Majumdar recordou que, em 2015 e 2016, o Exército russo recebeu numerosos veículos blindados modernizados, como os tanques T-72B3, os veículos de combate de infantaria BMP-3 e os transportes blindados do pessoal BTR-82A.

A modernização da Marinha russa se foca hoje em dia na frota de submarinos e no equipamento de navios com os sistemas de mísseis de cruzeiro Kalibr.

Os planos de modernização da Força Aérea supõem a entrada em serviço de novos caças multifuncionais Su-34 e Su-35S, assim como de drones e novas munições para a aviação.

O autor sublinha que as reformas militares russas prosseguem e que o país eslavo está criando Forças Armadas mais ágeis, capazes de realizar operações no estrangeiro.

Entretanto, a China está se transformando em um gigante que um dia será capaz de competir lado ao lado com os EUA, indicou.

Militares dos EUA na Lituânia (arquivo) - Sputnik Brasil
Exército dos EUA 'perdeu' US$1 bilhão em armas e equipamentos no Oriente Médio
A China segue avançando com suas reformas que buscam aumentar as possibilidades do Exército de Liberação Popular de combater em conflitos regionais e operar longe do território do país. Os líderes do gigante asiático tentam obter vantagem através do seu cada vez maior Exército, assim como através de medidas diplomáticas e econômicas para aumentar a influência do país no palco internacional, resume o autor, citando Stewart.

Recordou que em 2016 o presidente chinês Xi Jinping tinha declarado que o objetivo estratégico de Pequim é criar um Exército potente que corresponda ao status internacional da China.

As declarações do alto responsável americano não devem apanhar ninguém de surpresa, acredita Majumdar. O mundo unipolar dominado pelos Estados Unidos que se formou depois da dissolução da URSS era inevitavelmente uma situação temporária, conclui o autor.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала