Secretário-geral da OTAN: Aliança não irá lutar contra Daesh e ponto final

© REUTERS / Francois LenoirO secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, instrue a mídia durante uma reunião dos ministros de defesa da OTAN na sede da Aliança, em Bruxelas, Bélgica, 14 de junho de 2016
O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg,  instrue a mídia durante uma reunião dos ministros de defesa da OTAN na sede da Aliança, em Bruxelas, Bélgica, 14 de junho de 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, declarou que mesmo se a Aliança Atlântica aderir à coalizão internacional que luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), não irá participar de combates, limitando sua atividade ao apoio e treinamento de forças nacionais.

Soldados estonianos durante a parada militar em Narva, Estônia, fevereiro de 2015 - Sputnik Brasil
Estônia planeja estabelecer cooperação militar com EUA
Quanto à adesão à coalizão, liderada pelos EUA, Jens Stoltenberg apontou que esse assunto está na agenda. Ao mesmo tempo, ele expressou sua esperança que a decisão seja tomada até o início da cúpula da aliança, marcada para 25 de maio em Bruxelas.

"Se OTAN aderir à coalizão, isso não mudará seu papel… OTAN não vai participar em operações militares, ninguém pediu à OTAN para desempenhar funções em operações de guerra nem na Síria, nem no Iraque", confirmou o secretário-geral da Aliança Atlântica em uma conferência de imprensa na capital alemã.

"Continuaremos prestando apoio, enviando aviões AWACS [Sistema Aéreo de Alerta e Controle] e treinando militares no Iraque", adicionou.

Mais cedo, a revista Spiegel informou que na quarta-feira passada (3), quando foi realizado o encontro entre os embaixadores da OTAN, EUA deixaram claro que esperam que seus aliados adiram à coalizão internacional para combater o Daesh.

 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала