Casa Branca inclui 'isolamento da Rússia na ONU' na lista dos méritos de Trump

© AP Photo / Frank Franklin IIConselho de Segurança da ONU
Conselho de Segurança da ONU - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Casa Branca acredita que Donald Trump alcançou "o isolamento da Rússia na ONU" durante os primeiros 100 dias.

"Isolou ainda mais a Síria e a Rússia na ONU através da diplomacia bem-sucedida junto do presidente chinês, Xi Jinping", disse o serviço de imprensa da Casa Branca, resumindo os méritos de Trump no cargo presidencial.

Representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, em briefing de 6 de outubro de 2015 - Sputnik Brasil
Zakharova: 'Devemos dar uma chance a Trump para melhorar relações com a Rússia'
A mensagem não detalha o que o isolamento significa, mas anteriormente a Casa Branca havia comentado da mesma maneira a votação no Conselho de Segurança da ONU em 12 de março sobre a resolução proposta pela Grã-Bretanha, França e EUA.

O documento propunha ao secretário-geral da ONU ajudar a investigar os incidentes com o uso das armas químicas na Síria. Entretanto, a Rússia usou o direito de veto e bloqueou o projeto, chamando-o de "antissírio".

A China absteve-se durante a votação. "O fato de que a China se absteve é um êxito para o presidente… Isso mostra que a Rússia está isolada nesse assunto, é importante', disse mais tarde o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.  

Ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov com seu homólogo chinês Wang Yi - Sputnik Brasil
China está disposta a se juntar à Rússia para resolver conflitos internacionais
Por sua vez, a China explicou que não tinha votado a favor da resolução já que "algumas disposições deviam ser emendadas" e propôs elaborar um novo documento que fosse consensual no Conselho de Segurança.

A oposição síria denunciou, em 4 de abril, um suposto ataque com armas químicas na cidade de Khan Shaykhun (província de Idlib), que deixou mais de 80 mortos, segundo a Organização Mundial de Saúde.

As forças da oposição culparam Damasco pelo incidente, mas as autoridades sírias rejeitaram as acusações, alegando que todos os arsenais químicos foram retirados do país e eliminados sob a supervisão da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

Apesar da investigação do ataque ainda não ter sido concluída, em 7 de abril, 59 mísseis norte-americanos atacaram a base aérea síria de Shayrat (província de Homs), em "retaliação" pelo alegado uso de armas químicas por parte do governo de Bashar Assad.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала