Papa Francisco compara campos de refugiados europeus a campos de concentração

© Palazzo Chigi / Abrir o banco de imagensPaolo Gentiloni, primeiro-ministro da Itália, discursa na presença do papa Francisco
Paolo Gentiloni, primeiro-ministro da Itália, discursa na presença do papa Francisco - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Papa Francisco comparou neste sábado vários campos para refugiados dentro da União Europeia a verdadeiros campos de concentração, tais quais os utilizados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Prefeito de São Paulo, João Dória, visita o Papa Francisco - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Ainda não é dessa vez que Temer vai se encontrar com o Papa Francisco
A declaração foi feito durante uma cerimônia na Basílica de São Bartolomeu, em Roma, quando o pontífice narrava a história de uma cristã que foi assassinada por terroristas islâmicos, na frente do seu marido, muçulmano, por se recusar a retirar seu crucifixo. Esse relato, segundo a Rádio Vaticano, foi ouvido por Francisco da boca do próprio viúvo, um refugiado que ele conheceu ao visitar um campo de acolhimento na ilha grega de Lesbos. 

"Não sei se aquele homem conseguiu sair daquele campo de concentração", disse o Papa, se referindo ao campo de refugiados visitado. "Aprecio o empenho de acolhimento de alguns povos generosos, mas parece que os acordos internacionais são mais importantes do que os direitos humanos", acrescentou.

Ainda de acordo com a Rádio Vaticano, Francisco se encontrou com um grupo de refugiados e vítimas de tráfico humano ao final do evento e voltou a falar sobre a questão migratória, defendendo mais solidariedade por parte dos governos europeus.

"Pensemos na crueldade que se abate sobre tantas pessoas, em tantas pessoas que chegam em embarcações e são acolhidos por países generosos, como Itália e Grécia, mas depois os tratados não deixam… Se na Itália dois migrantes fossem acolhidos por município, teria lugar para todos. Que a generosidade de Lampedusa, Sicília, Lesbos, possam contagiar a todos. Somos uma civilização que não faz filhos e mesmo assim fechamos as portas aos migrantes: isso se chama suicídio", afirmou o pontífice.

 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала