Após protestos violentos, presidente paraguaio anuncia que não vai concorrer às eleições

© AP Photo / Eraldo PeresO presidente do Paraguai, Horacio Cartes, assiste à cerimônia de boas-vindas no palácio presidencial do Planalto, em Brasília, segunda-feira, 30 de setembro de 2013.
O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, assiste à cerimônia de boas-vindas no palácio presidencial do Planalto, em Brasília, segunda-feira, 30 de setembro de 2013. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Presidente do Paraguai, Horacio Cartes, disse segunda-feira que não se apresentará, "em nenhuma hipótese", como candidato à presidência da República nas eleições nacionais de 2018.

"Tomei a decisão de não me apresentar, em nenhuma hipótese caso, como candidato a Presidente da República para o período constitucional 2018-2023", disse o presidente em sua conta na rede social Twitter.

​Cartes destacou que, desta forma, visa facilitar o diálogo e evitar prejudicar ainda mais as instituições do país após os confrontos provocados pela discussão sobre a emenda constitucional que permitiria a reeleição presidencial.

"Espero que este gesto de renúncia sirva para aprofundar o diálogo no sentido de fortalecimento institucional da República, em convivência harmoniosa entre os paraguaios", disse o presidente, que emitiu uma carta dirigida ao presidente da Conferência Episcopal do Paraguai, monsenhor Edmundo Valenzuela.

Valenzuela fez parte da mesa de diálogo que Cartes instalou para tratar a emenda constitucional.

Horacio Cartes, presidente de Paraguay - Sputnik Brasil
Presidente do Paraguai pediu calma depois dos tumultos e do incêndio no Congresso
No último 31 março, milhares de manifestantes protestaram contra a medida que permitiria a reeleição presidencial. Em seguida, durante confrontos com a polícia, acabaram queimando o edifício do congresso. Um militante foi morto após uma explosão com tiros na sede do partido governista também como resultado da indignação coletiva contra o projeto.

Em 2012, o então presidente paraguaio Fernando Lugo sofreu um "impeachment relâmpago" em 36 horas e foi considerado culpado por "mau desempenho". Uma das causas alegadas pela oposição à época era, justamente, a tentativa de fazer passar um projeto de reeleição.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала