Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

OTAN está elaborando meios para responder à 'agressão russa'

© AFP 2021 / EMMANUEL DUNAND / AFPSecretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg (à direita), cumprimenta o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, no encontro dos ministros da OTAN em Bruxelas em 31 de março de 2017
Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg (à direita), cumprimenta o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, no encontro dos ministros da OTAN  em Bruxelas em 31 de março de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga no
O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que inesperadamente deu uma entrevista aos jornalistas na véspera da cúpula dos chefes das chancelarias dos países membros da OTAN, declarou que a Aliança Atlântica irá discutir quais serão suas ações em resposta à "agressão russa".

"Finalmente, queremos discutir a posição da OTAN na Europa, em particular na Europa do Leste, em resposta à agressão russa na Ucrânia e outros lugares", disse Tillerson apresentando a agenda do encontro.

redação da RT - Sputnik Brasil
EUA tentam impedir alguma mídia russa de transmitir no seu país
Ele apontou que "está muito feliz por assistir a esse encontro em Bruxelas" que foi adiado para 31 de março para que ele pudesse assisti-lo.

O secretário de Estado lembrou que se irá tratar primeiramente da "existência de todos os recursos necessários para que a OTAN realize suas missões". "Em segundo lugar, queremos negociar meios para continuar o trabalho da OTAN no combate ao Daesh [organização terrorista proibida na Rússia], bem como outras ações antiterroristas que poderão ser realizados pela OTAN, e trazer a estabilidade ao Oriente Próximo", declarou.

Além disso, ele destacou que "não consideramos que a OTAN deva desempenhar sempre o papel principal no combate ao terrorismo. Esse papel será frequentemente desempenhado por outros, incluindo governos nacionais, a coalizão internacional e a União Europeia".

Moscou tem repetidamente declarado que a Rússia não é parte do conflito ou sujeito dos acordos sobre regulação da situação na Ucrânia, não presta apoio aos rebeldes e não envia suas tropas para Donbass. Ao mesmo tempo, Kiev continua acusando a Rússia de "agressão militar".

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала