O que pode forçar Turquia a intervir de novo na Síria?

© AP Photo / Mursel Coban, Depo PhotosTanque turco durante incursão militar na Síria
Tanque turco durante incursão militar na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
É possível que as autoridades turcas anunciem novas iniciativas em matéria de segurança na Síria após Ancara não ter conseguido alcançar todos os objetivos no país árabe durante sua operação mais recente, comunicou à Sputnik Turquia o analista militar turco Abdulalh Agar.

"A Turquia não conseguiu alcançar todos os objetivos durante a operação Escudo do Eufrates visto que o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e as Unidades de Proteção Popular (YPG) receberam apoio na região", comunicou Agar à Sputnik Turquia. "Os militares turcos não conseguiram cumprir as missões nas cidades sírias de Manbij e Tell Rifaat e seus arredores desde que as forças curdas e o Exército Árabe da Síria alcançaram o acordo para transferência de controle sobre estas áreas".

Ancara lançou a operação Escudo do Eufrates em 24 de agosto para libertar as cidades e povoações na fronteira entre a Síria e a Turquia do Daesh. A intervenção militar também se destinava a não permitir que os curdos avançassem mais para oeste e criassem uma região com fronteira única.

Na quarta (29), o Conselho de Segurança Nacional anunciou que Ancara terminou sua campanha formalmente, acrescentando que ela foi bem-sucedida. O conselho não especificou os planos da Turquia para retirar as suas forças da região.

Segundo Agar, o presidente Erdogan e outros altos funcionários turcos afirmam que os curdos sírios, em particular o Partido de União Democrática (PYD) e o seu braço armado mais conhecido como Unidades da Proteção Popular (YPG) estão relacionados com o Partido dos trabalhadores do Curdistão (PKK).

Tanque turco durante uma operação perto da fronteira com a Síria - Sputnik Brasil
Turquia terminou sua campanha na Síria para obter 'carta branca' de Washington?
Ancara considera o PKK, e outros grupos que eles acreditam manterem contatos com ele, como terroristas que tentam conquistar um país independente à Turquia e à Síria. O PYD, que é um dos partidos curdos mais importantes na Síria, negou todas as acusações.

"Por um lado, eles querem estabilizar a situação para que o processo de paz possa ser iniciado. Por outro lado, eles querem impedir os curdos sírios de se radicalizarem através do PKK", acrescentou Abdullah Agar à Sputnik Turquia.

Por isso, segundo o analista, as autoridades turcas podem lançar uma nova operação militar na Síria para alcançar estes objetivos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала