Câmara Cívica Russa vai instar a ONU a avaliar as palavras de embaixador espanhol em Kiev

© Sputnik / Yevgeny Biyatov / Abrir o banco de imagensVista de Moscou a partir da ponte Bolshoy Moskvoretsky
Vista de Moscou a partir da ponte Bolshoy Moskvoretsky - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A presidente da câmara cívica russa para o desenvolvimento da diplomacia social, Elena Sutormina, vai pedir às Nações Unidas para avaliar as declarações feitas pelo embaixador espanhol em Kiev, Gerardo Ángel Bugallo Ottone, sobre a Rússia e os Acordos de Minsk para resolução do conflito no Ucrânia.

Presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko - Sputnik Brasil
Paradoxo? Ucrânia pretende cumprir Acordos de Minsk sem prejudicar interesses próprios
Em 22 de março, numa reunião do Clube de Imprensa 'Diplomatas sem vínculos' organizada pela agência Ukrinform na Ucrânia, o embaixador espanhol emitiu uma declaração pública considerada "escandalosa" pelo Ministério das Relações Exteriores russo.

Na ocasião, Ottone disse que "os acordos de Minsk sugerem eleições livres e justas sob a lei ucraniana e sob a supervisão das instituições ocidentais e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa… Mas, mesmo se as tropas russas saírem, isso não significa que os chefes mafiosos locais em Donetsk na República Popular de Lugansk permitirão que estas eleições aconteçam".

Suprema Rada, parlamento da Ucrânia - Sputnik Brasil
Por que cordos de Minsk podem ser cumpridos apenas após 2017?
O Ministério russo continuou a nota de repúdio dizendo que a fala contém "uma série de declarações inadequadas sobre o presidente russo, Vladimir Putin, o nosso país em geral, as relações russo-ucraniano e as perspectivas de cumprimento dos acordos de Minsk e a resolução do conflito no leste da Ucrânia", diz o comunicado.

"Estamos prontos para pedir à ONU para avaliar publicamente as palavras do embaixador da Espanha", disse Sutormina à Sputnik.

Na opinião da presidente, "tais declarações são inaceitáveis, em princípio, a um funcionário diplomático, porque não só falam em seu nome apenas, mas também em nome do país que representa".

Sutormina observou que esses comentários representam "uma provocação que deve ser avaliada em conformidade pelas instituições internacionais."

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала