Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Chefe do governo: Sérvia nunca aderirá à OTAN que devastou o país

© AP Photo / AP Photo/Darko Vojinovic18 ͦ aniversário do bombardeamento da Iugoslávia pela OTAN em 1999, 24 de março de 2107
18 ͦ aniversário do bombardeamento da Iugoslávia pela OTAN em 1999, 24 de março de 2107 - Sputnik Brasil
Nos siga no
A Sérvia nunca quererá fazer parte da OTAN que devastou seriamente o país e matou cidadãos sérvios, declarou na sexta-feira (24) o primeiro-ministro Aleksandar Vucic, durante o aniversário do bombardeamento da Iugoslávia (Sérvia e Montenegro) em 1999 pela Aliança Atlântica.

Avião sérvio J-22 Orao - Sputnik Brasil
Sérvia moderniza seus aviões com apoio de Moscou, não esquecendo suas próprias forças
Os eventos, com participação do chefe do governo sérvio e do presidente da República Sérvia da Bósnia e Herzegovina, Milorad Dodik, foram realizados no sul da Sérvia, no desfiladeiro de Grdelica, onde um F-15E da OTAN lançou, em 12 de abril de 1999, quatro mísseis contra um trem de passageiros. O número exato de vítimas ainda é desconhecido, no local só foram encontrados nove corpos e fragmentos de corpos de mais quatro vítimas.

"Nos três meses mais sangrentos para a Sérvia, que ocupa 88 mil quilômetros quadrados, foram lançados mais de 50.000 mísseis, cerca de um míssil por cada quilômetro quadrado. Em 78 dias, sobre a Sérvia, com uma população de 7 milhões, foram lançados 22 milhões de quilos de bombas, três quilogramas por cada um de nós", recordou Vucic em seu discurso que foi transmitido pela televisão nacional RTS.

O chefe do governo da Sérvia informou que os prejuízos para a república são estimados entre 30 e 100 bilhões de dólares.

"Mas nós também perdemos algo de precioso que ninguém se atreve a tirar a outro, eles nos tiraram vidas humanas. Nós perdemos mais de dois mil civis e cerca de mil soldados e policiais nos três meses de bombardeios e assassinatos…", disse Vucic.

Ele acrescentou que também foram assassinadas 79 crianças.

© AP Photo / Sergei VelichkinA ponte bombardeada em Grdelica, no sul da Sérvia em 1999
A ponte bombardeada em Grdelica, no sul da Sérvia em 1999 - Sputnik Brasil
A ponte bombardeada em Grdelica, no sul da Sérvia em 1999

Nessa conexão, a Sputnik Sérvia questionou alunos sérvios nascidos em 1999 — o que eles sabem sobre os bombardeamentos, suas causas e consequências?

A aluna A e sua família foram obrigados a deixar sua casa devido aos ataques. Ela pensa que, em 1999, uma grande injustiça ocorreu em relação à Sérvia, mas a propaganda ocidental apresentou os sérvios como os principais culpados da guerra.

Um membro do Exército dos EUA posa num carro blindado durante os exercícios militares “Dragoon Ride II” perto de Vilnius, Lituânia, junho de 2016 - Sputnik Brasil
Presença militar: Exército norte-americano regressa à República Tcheca
"Eu sei que nos atribuíram tentativas de expulsar todos os albaneses do Kosovo. Tudo isso foi apresentado assim e, em seguida, começaram os bombardeios. Mesmo que eles dissessem que iriam bombardear apenas objetivos militares, eles não se preocuparam com os civis que estavam morrendo e não entendiam o que estava acontecendo. Eu já não estou falando sobre os danos materiais causados ao nosso país."

A aluna A acrescentou que durante os bombardeios seus pais e parentes se esconderam na cave: "Meu avô já estava muito velho e doente. Ele sofreu um acidente vascular cerebral devido ao stress enorme."

Outro aluno de uma escola sérvia, U, expressou sua opinião dizendo que a mídia ocidental "encenou" a catástrofe humanitária no Kosovo.

Segundo disse ele, "às vezes, por causa dos bombardeios, a noite parecia se tornar dia — como mostram nos filmes. Eles me disseram [seus parentes] que eu era o único raio de luz nessa escuridão permanente".

O aluno U morava no Kosovo até fazer seis anos, mas ele se lembra dos vestígios de balas nos edifícios, das zonas radiativas por causa do urânio empobrecido usado pela OTAN. Os edifícios pareciam jaulas, pois todas as janelas tinham grades.

Para apresentar pontos de vista diferentes, a Sputnik Sérvia falou com a professora de história do primeiro liceu de Belgrado, Biljana Krstic, que aponta que a informação sobre os bombardeamentos da Iugoslávia é representada de maneira muito informativa e objetiva nos livros escolares:

Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko - Sputnik Brasil
Opinião: Ucrânia não receberá estatuto de aliado importante extra-OTAN
"Tentamos evitar uma opinião subjetiva, porque tudo isso aconteceu não há muito tempo e, na verdade, deve passar mais tempo para se perceber como foi que isso aconteceu. Nem os especialistas, nem a comunidade, possuem uma opinião única sobre o assunto. Há aqueles que irão afirmar: ainda bem que os bombardeamentos aconteceram, pois isso foi o início do fim de Milosevic. Mas existe outro extremo — as pessoas que vão afirmar que não temos culpa de nada e que todo o mundo se virou contra nós por causas inexplicáveis. A verdade está no meio e não é a branco e preto, apesar de gostarmos frequentemente de apresentar tudo nesta gama."

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала